Instituição canadense participa de encontro sobre o programa

Fonte Assessoria de Imprensa do Instituto Federal de Bra 09/05/2012 às 23h
Representantes do instituto canadense Niagara College, de institutos federais de dez unidades da Federação, da Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica (Setec) do Ministério da Educação, realizaram um seminário no campus Taguatinga Centro, do Instituto Federal de Brasília, para estruturar pesquisas a serem desenvolvidas com o Programa Mulheres Mil.

De acordo com o coordenador geral de pesquisa e extensão do campus Taguatinga Centro, Francisco Nunes dos Reis Junior, essas pesquisas devem tratar, de maneira ampla, da avaliação de projetos sociais, e 12 projetos do Mulheres Mil, já encerrados, devem ser utilizados como estudos de caso. Entre as questões a serem analisadas pelas pesquisas, devem estar a aplicação da metodologia do programa e os casos de sucesso ou insucesso.

A previsão é de que as pesquisas tenham duração de aproximadamente três anos e encerrem-se em 2014. O International Development Research Center (IDRC), órgão ligado ao governo canadense, vai financiar as pesquisas, que serão desenvolvidas pelo Institutos Federais de Brasília, do Ceará, da Bahia, da Paraíba, de Pernambuco, do Piauí, do Rio Grande do Norte, de Roraima, do Tocantins, do Maranhão, de Sergipe e do Amazonas.

De acordo com Natalee Tokar, representante do Niagara College que veio ao Brasil para participar das discussões no instituto de Brasília, o objetivo das instituições canadenses – agora – é utilizar as experiências com o Programa Mulheres Mil para desenvolver a pesquisa aplicada. Segundo ela, o que se pretende com essas ações é estabelecer uma metodologia de avaliação de projetos sociais, algo como um índice, que possibilite medir programas sociais.

Ela ressalta que o Canadá já investiu de forma significativa na implementação do Programa Mulheres Mil e que, a partir dessa nova meta, o que se busca é avaliar os trabalhos que já foram realizados e analisar casos que deram certo, além de projetos que deixaram lacunas entre a necessidade das mulheres e o planejado pelas instituições aplicadoras.

Brasil - Eudna Araújo Baby, do Instituto Federal da Paraíba, relata que, naquela instituição, já foi formado um grupo de pesquisa que vai compor essa etapa do projeto. Atualmente aquele instituto mantém um projeto do Mulheres Mil que atende 100 mulheres, 50 sendo preparadas no curso de cuidador de idoso e 50 como operadoras de processamento de pescado.

O IFPB foi um dos institutos que participaram do projeto-piloto do Programa Mulheres Mil, então financiado pelo governo canadense, antes do governo brasileiro adotar a metodologia e estabelecer a meta de atender 100 mil brasileiras até 2014.

Essa experiência pioneira de institutos como o da Paraíba será agora utilizado na busca de conhecimento sobre projetos sociais.

Assessoria de Imprensa do Instituto Federal de Bra
Fonte Assessoria de Imprensa do Instituto Federal de Bra 09/05/2012 ás 23h

Compartilhe

Instituição canadense participa de encontro sobre o programa