Infraestrutura será carro-chefe de negócios em 2013. Avaliação é de empresários do setor de engenharia industrial

Fonte Mandarim Comunicação 14/04/2013 às 12h

Mais de 70% das empresas consultadas em sondagem da ABEMI acreditam em aumento dos investimentos para infraestrutura neste ano. Energia também deve ser fonte de oportunidades, mas o segmento de siderurgia deve permanecer estagnado.

A ABEMI - Associação Brasileira de Engenharia Industrial realizou, em março, sondagem de expectativas com as empresas associadas sobre o período 2013/2014. O resultado mostra que as companhias vêem o período com cautela. O dado mais otimista é sobre o setor de infraestrutura. Quase 73% dos entrevistados acreditam em aumento dos investimentos na área. Outro setor que é visto como fonte de oportunidades de negócios no período é o de energia: 39,2% dos pesquisados apostam em crescimento de aportes no segmento no próximo período.

O presidente da ABEMI, engenheiro Antonio Müller, acredita que as respostas refletem a percepção sobre a continuidade das obras de infraestrutura no país, em função de fatores como a realização da Copa do Mundo e Olimpíadas, as pressões do setor de agronegócios sobre os portos, e o calendário eleitoral, o que obriga os governos a realizar empenhos imediatamente e até junho de 2014. “A possibilidade de mais investimentos públicos e a ampliação das linhas de crédito do BNDES para financiar projetos de logística, rodovias e aeroportos, por exemplo, são projeções bastante positivas para as empresas de engenharia, que nos últimos anos estruturaram equipes competentes e precisam mantê-las", diz Müller.

Por outro lado, são fontes de preocupação os setores de siderurgia (73,5% dos entrevistados creem que as companhias investirão menos em 2013), óleo e gás (55,8% têm expectativa de menos investimentos) e química e petroquímica (mais de 48% preveem queda nas oportunidades). Para o presidente da entidade, o resultado sobre área de siderurgia é coerente com a paralisia do segmento, que vem sendo afetado seriamente pela crise econômica nos países desenvolvidos. Já as expectativas sobre os setores de óleo e gás, e química e petroquímica estão relacionadas com a postergação de projetos anunciada no ano passado.

A ABEMI também ouviu as associadas sobre os resultados de 2012 e as projeções de negócios para 2013. No ano passado, a maior parte das empresas (62,8%) registrou crescimento e estabilidade no número de projetos em carteira. Para o período atual, a porcentagem de entrevistadas que acreditam em crescimento de novos contratos é de 28,2% e a das que projetam estabilidade nos negócios é de 31,2%.

“A engenharia industrial é dependente do investimento intensivo. Por isso, um cenário como o atual, em que contratantes do setor revisam seus planos de investimentos, sugere uma análise mais cuidadosa por parte das empresas. As indefinições decorrentes da crise na Europa e nos Estados Unidos também influenciam a percepção sobre o momento da economia brasileira”, avalia Müller.

A sondagem com as empresas associadas à ABEMI será repetida no segundo semestre de 2013.

RESUMO DAS RESPOSTAS

Perfil das empresas participantes

O setor de engenharia industrial reúne empresas que projetam e executam empreendimentos nas áreas de óleo e gás, mineração, siderurgia, energia, papel e celulose, química e petroquímica, e infraestrutura. As 140 associadas geram uma receita bruta anual (2011) de US$ 37,85 bilhões e desenvolvem atividades nas áreas de Construção Civil, Montagem e manutenção, Engenharia e Fabricação, com a seguinte distribuição:

Áreas de atividade Empresas (%)

Fabricação 4%
Engenharia 25%
Montagem e manutenção 54%
Construção Civil 17%

Considerando 2013, qual a expectativa da sua empresa sobre os investimentos nos setores de:

Crescimento

Redução

Estabilidade

Energia

39,2%

25,1%

35,7%

Mineração

14,8%

33,3%

51,9%

Siderurgia

3,8%

73,5%

22,7%

Óleo e gás

26,4%

55,8%

17,8%

Infraestrutura

72,7%

3,0%

24,3%

Papel e Celulose

13,6%

22,7%

63,7%

Química e Petroquímica

14,8%

48,1%

37,1%


No ano de 2012, sua empresa:

Aumentou o número de projetos em carteira

32,3%

Reduziu o número de projetos em carteira

37,2%

Permaneceu com o mesmo número de projetos

30,5%

Para o ano de 2013, a expectativa da sua empresa é:

Ampliar o número de projetos em carteira

28,2%

Reduzir o número de projetos em carteira

40,6%

Permanecer com o mesmo número de projetos

31,2%

ABEMI

Fundada em 1964, a ABEMI - Associação Brasileira de Engenharia Industrial é uma entidade sem fins lucrativos, que congrega as empresas que projetam e constroem a indústria brasileira. Suas associadas atuam nas áreas de engenharia, construção, montagem, fabricação e manutenção industrial. Atualmente, conta com 140 associadas que, juntas, empregam 447 mil profissionais e somam mais de US$ 37,85 bilhões em receita operacional bruta.

Mandarim Comunicação
Fonte Mandarim Comunicação 14/04/2013 ás 12h

Compartilhe

Infraestrutura será carro-chefe de negócios em 2013. Avaliação é de empresários do setor de engenharia industrial