Índice de RJ revela vulnerabilidade das micro e pequenas empresas

Fonte Texto Comunicação 14/05/2013 às 20h

Em 12 meses, houve um aumento de 75% dos pedidos de Recuperação Judicial em todo o país, segundo a Boa Vista Seguros, administradora do Serviço de Proteção ao Crédito (SCPC). O Indicador Serasa Experian de abril mostra que micros e pequenas empresas são as mais vulneráveis: das 77 empresas que solicitaram Recuperação Judicial em março, 65 eram empresas de pequeno e médio portes. E, somente três das 70 empresas que tiveram a falência decretada eram empresas de grande porte.

Pedro Magalhães Neto, sócio da Exame Auditores Independentes, observa que a vulnerabilidade dessas empresas expõe a necessidade que esses empresários têm de adotar sistemas de gestão eficientes, que ofereçam ferramentas de controle de processos e de pessoal.

Danielle Moro, gerente de Desenvolvimento Organizacional da Exame Auditores Independentes, alerta que, mais do que analisar com prudência os sinais da crise interna, os empresários devem voltar suas atenções para o planejamento de requisitos fundamentais para contornar dificuldades readequando a estrutura e o controle de processos.

As competências e experiências absorvidas pelos membros da equipe devem ser conhecidas e gerenciadas para que possam ser direcionadas para setores ou atividades de maior aproveitamento. “O remanejamento é necessário para melhorar o desempenho da empresa e abrir oportunidades de desenvolvimento interno, além de garantir que atividades necessárias ao bom funcionamento da empresa possam ocorrer sem novos investimentos”, explica.

Para conferir credibilidade e segurança ao negócio é importante rever o nível de formalização de controles internos, a eficácia dos sistemas tecnológicos de gestão e a qualidade e eficiência de informações. Esse tripé aliado às competências da equipe podem diferenciar em muito a condição da empresa.

Sobre a Exame Auditores IndependentesA Exame Auditores Independentes oferece serviços de auditoria, consultoria empresarial, consultoria tributária e societária, desenvolvimento organizacional, outsourcing, geração de valor, reestruturação e recuperação judicial. É liderada pelos executivos Angelo Guerra Netto, Eduardo Scarpellini e Pedro Magalhães Neto. Fundada há dez anos, tem sede em Ribeirão Preto (SP) e atuação nacional. Já negociou mais de 10 bilhões de reais em passivos de empresas de todo o país e tem um índice de 100% de aprovação das assembléias de credores das quais participou.

Texto Comunicação
Fonte Texto Comunicação 14/05/2013 ás 20h

Compartilhe

Índice de RJ revela vulnerabilidade das micro e pequenas empresas