Incubadoras e parques tecnológicos pedem menos burocracia e mais crédito

Fonte Agência Gestão CT&I de notícias 27/04/2013 às 20h

 

 

Representantes de incubadoras e parques tecnológicos pediram a parlamentares soluções para combater os principais gargalos da área. O encontro ocorreu, nesta terça-feira (23), em uma reunião da Frente Parlamentar de Ciência, Tecnologia, Pesquisa e Inovação (FPCTPI), na Câmara dos Deputados.

FPCTPI debate gargalos do setor. Crédito: Zeca Ribeiro/Câmara dos DeputadosFPCTPI debate gargalos do setor. Crédito: Zeca Ribeiro/Câmara dos DeputadosPara o diretor dos cursos de administração, gestão hospitalar, gestão pública e logística da Universidade Católica de Brasília (UCB), professor Edson Kondo, o Brasil precisa vencer as barreiras regulatórias urgentemente. Segundo ele, pesquisadores e empreendedores gastam muito tempo com os procedimentos burocráticos, fator que interfere nas atividades de pesquisa. “As empresas que começam com apoio das universidades precisam de um caminho curto e rápido para serem criadas”, avalia Kondo.

Outro fator apontado pelo professor como entrave para as incubadoras é o acesso ao crédito. Atualmente, ressaltou, empreendedores têm a disposição apenas empréstimos com taxas altas de juros e, por vezes, não conseguem o capital por falta de garantias necessárias.

O deputado federal Izalci Lucas (PSDB-DF), presidente da FPCTPI, falou sobre a importância de se criar uma linha de crédito específica para o setor. Para o parlamentar, os recursos devem ser oferecidos pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

“Nós temos que incentivar o BNDES, por meio do governo, a oferecer a mesma linha de crédito para as incubadoras a fim de proporcionar capital de giro e capital inicial”, explica Izalci. Para o deputado, a medida é fundamental para empresas incubadas na geração de novos empregos e com alto faturamento.

No encontro, após a exposição da superintendente-executiva da Associação Nacional das Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores (Anprotec), Sheila Pires, que apresentou o caso de uma incubadora de destaque nacional que foi desaparelhada e praticamente extinguida com a chegada de um novo prefeito, Izalci defendeu uma ação de Estado para o setor.

“Nós temos que buscar um mecanismo na legislação para proibir que prefeitos façam este tipo de coisa. Não pode haver um prejuízo como o que ocorreu com esta incubadora”, enfatiza. No final do encontro, o presidente da frente parlamentar se comprometeu a encaminhar todas as sugestões propostas durante a reunião aos responsáveis dentro do governo pela elaboração de mecanismos com capacidade para atender as demandas do setor.

O próximo encontro da FPCTPI está previsto para a próxima terça-feira (30), na Câmara dos Deputados. Na pauta, os parlamentares debaterão transferência de tecnologia e propriedade intelectual. Informações pelo telefone (61) 3215-5284.

Agência Gestão CT&I de notícias
Fonte Agência Gestão CT&I de notícias 27/04/2013 ás 20h

Compartilhe

Incubadoras e parques tecnológicos pedem menos burocracia e mais crédito