Ginasta brasileira dá show na Rússia e conquista quatro medalhas

Fonte ZDL Comunicação 19/05/2013 às 20h

 

Representante do LiveWright, Tamires Veiga, de apenas 13 anos, mostra boa fase e é destaque da Alexander Dityatin Cup, em São Petersburgo. Na categoria adulta, Mariana Valentin foi bronze no solo

Curitiba (PR) - Com apenas 13 anos, Tamires Veiga se destaca como uma das esperanças da ginástica nacional. Os resultados da atleta do LiveWright em competições internacionais mostram que a ginasta tem tudo para recolocar o País no caminho das vitórias na modalidade. Neste sábado (18), na Alexander Dityatin Cup, em São Petersburgo, na Rússia, a garota conquistou quatro medalhas na categoria juvenil. Tamires foi ouro na trave, prata no individual geral e bronze no solo e salto. "Fiquei surpresa com tantas medalhas, esperava subir ao pódio, mas não tantas vezes. Fico feliz com isso, pois assim sei que meus treinos estão dando resultados", revelou a atleta.

O Brasil também subiu ao pódio na categoria adulta com Mariana Valentin, que ficou com o bronze no solo com 10.625 pontos. Ao todo foram cinco medalhas no evento, um dos mais fortes da temporada e que contou com a participação de 17 países. O desempenho de 2013 superou o do ano passado, quando a ginástica feminina nacional faturou três medalhas. As meninas treinam em Curitiba (PR) na sede do Cegin (Centro de Excelência de Ginástica), projeto com patrocínio máster da Cielo.

O campeonato na Rússia chegou à sua 13ª edição e homenageia Alexander Nikolaievich Dityatin, dono de 10 medalhas em Jogos Olímpicos. Em Moscou/80, o atleta subiu ao pódio oito vezes e se tornou uma lenda ao tirar a primeira nota 10 atribuída a um homem em uma competição olímpica.

A equipe de ginástica do Cegin faz parte de um projeto do Movimento LiveWright, em parceria com a Federação Paranaense de Ginástica. A patrocinadora máster é a Cielo. Os patrocinadores platinum são Volvo e Raízen. Klabin, Credit Suisse, MRS são apoiadores oficiais. Ainda contribuem com o movimento Camargo Correa e CBMM.
Desempenho de Tamires, um dos destaques do campeonato - Tamires Veiga é curitibana e tem 13 anos. A jovem promessa da ginástica artística nacional mostra talento desde 2009 se destacando em todos os aparelhos em competições, mesmo nas categorias pré-infantil, infantil e mirim. No ano passado, a atleta passou a fazer parte do time juvenil e disputou eventos internacionais para ganhar mais experiência. A prata no individual geral na Alexander Dityatin Cup comprova seu bom momento. A ginasta somou 51.355 pontos. O melhor desempenho em São Petersburgo foi da ginasta local Elena Eremina (53.800). A outra brasileira na prova, Raquel Silva, ficou em 10º lugar com 49.100 pontos.

Nas provas individuais, Tamires Veiga deu show. O ouro na trave veio com a nota 13.325. Na sequência apareceram a bielorrussa Aliaksandr Koshaleva (13.275) e a russa Elena Eremina (13.025). A brasileira Raquel Silva ficou em quarto (12.050).

No salto sobre o cavalo, a ginasta ficou com o bronze com a nota 13.288. O ouro ficou com a ucraniana Anastasiya Ilnytska e a prata para a russa Spirina Polina. Raquel Silva foi a quinta com 11.750.

O outro bronze foi no solo com 13.200 de pontuação. Ouro para a russa Elona Batalova (13.750) e prata para a ucraniana Anastasiya Ilnytska (13.300). Raquel Silva foi a sétima com 12.500. Tamires Veiga ainda ficou na quarta colocação na paralela no evento russo.

As ginastas brasileiras e Márcia Suplicy, que coordena o grupo, chegam a Curitiba na manhã desta segunda(20), às 9h26, no vôo 1922, da Gol.

A força da Ginástica - As ginastas da nova geração são acompanhadas de perto na capital do Paraná por especialistas de alto nível na modalidade e contam com equipamentos de primeiro mundo. No Cegin (Centro de Excelência de Ginástica), em Curitiba, as atletas são supervisionadas pelo ucraniano Oleg Ostapenko, que revelou Daiane dos Santos e colocou a modalidade em outro patamar no cenário mundial. A ex-ginasta bielorrussa Nellie Kim é a conselheira internacional do projeto de ginástica artística feminina do Movimento LiveWright, em parceria com a Federação Paranaense de Ginástica. Com seis medalhas olímpicas, sendo cinco de ouro, a campeã faz avaliações semestrais do trabalho na capital paranaense.

As integrantes do Cegin têm bolsa auxílio, plano de saúde, auxílio moradia, alimentação, além de poderem contar com médicos, fisioterapeuta, nutricionista, massagista e psicólogo; aulas de educação formal e bolsa para as atletas com idade para cursar faculdade.

Sobre o LiveWright - Fundado por um grupo de empresários em 2011 com o objetivo desenvolver o esporte olímpico brasileiro, o LiveWright é um movimento sem fins lucrativos, que deseja preparar campeões a partir dos Jogos de 2016 e deixar para o esporte brasileiro um legado de profissionalismo e gestão competente.

O LiveWright se inspirou no sonho do empresário Roger Wright, que acreditava que se as crianças tivessem heróis nos quais pudessem se inspirar, teriam chances de uma vida melhor, em um país mais justo. Wright era velejador e foi um dos grandes incentivadores do projeto de trazer uma Olimpíada para o Brasil. Em 2008, reuniu um grupo de empresários para ajudar a candidatura Rio 2016. Ao mesmo tempo, passou a sonhar com a formação de atletas para esta oportunidade. Seu plano era, ao mesmo tempo, simples e ambicioso: investir em modalidades criteriosamente selecionadas, a fim de aumentar consideravelmente nossas chances de medalhas, transformando o Brasil em uma potência olímpica.
Por isso, o LiveWright acredita que promover heróis no Brasil é uma maneira de trazer esperança e novas alternativas para o futuro. O movimento é uma Oscip, inteiramente financiado por corporações e pessoas físicas. O seu modelo de trabalho está baseado em fornecer capital e know-how gerencial para os esportes selecionados por uma comissão formada por atletas, ex-atletas e empresários, e oferecer ao patrocinador a garantia de que os recursos investidos estão sendo bem alocados dentro dos valores da iniciativa privada de desempenho, meritocracia e ética.

O LiveWright reúne alguns dos principais empresários do Brasil, além de esportistas e personalidades de grande relevância. Os atuais parceiros do LiveWright são Camargo Correa, CBMM, Cielo, Volvo, Raízen, MRS, Klabin, Credit-Suisse. Os atuais projetos contam com recursos incentivados do Ministério do Esporte, por meio da Lei de Incentivo ao Esporte.

Mais informações no site do LiveWright

ZDL Comunicação
Fonte ZDL Comunicação 19/05/2013 ás 20h

Compartilhe

Ginasta brasileira dá show na Rússia e conquista quatro medalhas