Gestores de TI projetam aumento de 50% no número de aplicativos de negócios para dispositivos móveis, mas enfrentam desafios para migração

Fonte Agência Ideal 19/05/2013 às 11h

desafios para migração

Pesquisa encomendada pela Micro Focus, com 590 CIOs ao redor do mundo, identificou que cerca de um terço deles considera os times de desenvolvimento de app móveis lentos, medianos ou ultrapassados

Maio de 2013 – Um levantamento realizado pela empresa de pesquisas Vanson Bourne, a pedido da Micro Focus – líder na oferta de soluções para modernização, testes e gerenciamento de aplicações –, identificou que os diretores de TI e CIOS projetam um aumento de 50% no número de aplicativos de negócios que precisam estar acessíveis por dispositivos móveis nos próximos três anos. No entanto, cerca de um terço dos executivos consultados considera que seus times de desenvolvimento são lentos, medianos ou ultrapassados para fazer essa migração.

A pesquisa da Vanson Bourne consultou 590 CIOs e diretores de TI (tecnologia da informação), de nove países, dos quais 100 deles no Brasil. O levantamento identificou que a maioria (79%) deles utiliza aplicativos móveis que misturam soluções desenvolvidas com apoio de empresas externas e com as próprias equipes de TI.

Ainda segundo a pesquisa, 78% dos entrevistados consideram que o uso de mainframes torna o desenvolvimento e a migração de aplicativos para dispositivos móveis mais difícil. Além disso, 86% deles afirmaram que os próprios desenvolvedores e fornecedores têm dificuldade para trabalhar com mainframes.

Quanto aos sistemas operacionais para dispositivos móveis mais utilizados pelas empresas consultadas, o Android desponta como a plataforma preferida, com 78% dos entrevistados já desenvolvendo algum tipo de aplicativo para esse sistema. O Apple iOS aparece em segundo, com 65% dos projetos, e o Windows Phone em terceiro, com 52%.

Pesquisa no Brasil

Entre os CIOs e diretores de TI brasileiros consultados pela pesquisa, 88% disseram que, em dois anos, pretendem ampliar o volume de aplicativos desenvolvidos para smartphones e em 72% o número de apps de negócios voltados a tablets. A pesquisa identificou também que, no país, cerca de 25,62% das aplicações de negócios já rodam em dispositivos móveis, contra uma média de 30,90% no mundo.

A pesquisa identificou ainda que as três principais preocupações que estão atrapalhando o desenvolvimento de aplicativos móveis são: segurança (70%); performance (56%) e migrar os sistemas legados (45%).

O estudo identificou no Brasil que o tempo médio de entrega dos aplicativos para dispositivos móveis é maior do que o contabilizado em outros países. Enquanto que, no mundo, a maioria (39%) dos executivos demora três meses para desenvolvimento desse tipo de aplicação, no Brasil, a maior parte dos consultados (35%) demanda seis meses.

“Esse estudo confirma que existe uma pressão dentro das organizações para migração dos aplicativos tradicionais de negócio para dispositivos móveis, graças, principalmente, ao aumento da demanda por produtividade. No entanto, a maioria das empresas ainda enfrenta desafios, tanto para desenvolver esse tipo de aplicativo de forma mais rápida como de maneira mais eficiente”, afirma Marco Leone, Country Manager da Micro Focus Brasil. “O melhor caminho para resolver essa questão é o uso de soluções específicas para desenvolvimento e teste de aplicativos móveis, como o portfólio Silk, da Micro Focus”, complementa.

Sobre a Micro Focus

Fundada há mais de 30 anos, na Inglaterra, a Micro Focus International (Micro Focus®; LSE: MCRO.L) fornece softwares inovadores que permitem às empresas desenvolver, testar, implementar, avaliar e modernizar aplicativos críticos aos negócios. Atualmente, a empresa conta com mais de 18.000 clientes ao redor do mundo e 2 milhões de usuários licenciados, incluindo 91 organizações listas na Fortune Global 100. Para mais informações, visite www.microfocus.com.br

Agência Ideal
Fonte Agência Ideal 19/05/2013 ás 11h

Compartilhe

Gestores de TI projetam aumento de 50% no número de aplicativos de negócios para dispositivos móveis, mas enfrentam desafios para migração