Fundação está estudando novo medicamento contra a leishmaniose cutânea

Fonte Agência Fiocruz de Notícia 25/02/2013 às 15h

Fundação está estudando novo medicamento contra a leishmaniose cutânea

O Instituto de Tecnologia em Fármacos (Farmanguinhos/Fiocruz) está desenvolvendo um medicamento inovador contra a leishmaniose cutânea: o Sulfato de Paromomicina na apresentação de gel 10%. O objetivo é oferecer uma alternativa terapêutica para a doença que ainda é negligenciada pelas indústrias farmacêuticas. Hoje, o remédio mais indicado para o agravo causa efeitos colaterais graves, o que dificulta a adesão ao tratamento.

A previsão é de que em quatro anos o fármaco, que vem sendo estudado no Laboratório de Tecnologia Farmacêutica da unidade, esteja disponível para o paciente atendido pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

O estudo para o novo gel de Paromomicina é realizado em parceria com o Centro de Pesquisa René Rachou (CPqRR/Fiocruz Minas), Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e DNDi (sigla em inglês da Iniciativa para Doenças Negligenciadas) e com o Programa de Desenvolvimento Tecnológico de Insumos para a Saúde (PDTIS/Fiocruz). A leishmaniose tegumentar tem duas formas de apresentação clínica: cutânea e mucosa. De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), é uma das seis mais importantes patologias infecciosas, pelo seu alto coeficiente de detecção e capacidade de produzir deformidades. Constitui um problema de saúde pública em 88 países, distribuído em quatro continentes (América, Europa, África e Ásia), com registro anual de 1 milhão a 1,5 milhão de casos.

 

Agência Fiocruz de Notícia
Fonte Agência Fiocruz de Notícia 25/02/2013 ás 15h

Compartilhe

Fundação está estudando novo medicamento contra a leishmaniose cutânea