F5 Networks fatura US$ 350,02 milhões no segundo trimestre de 2013

Fonte GAD Comunicação 25/05/2013 às 11h

Resultado alcançado pela companhia neste ano é 3% maior que os US$ 339,6 milhões obtidos no segundo trimestre do ano passado; ano fiscal da F5 Networks iniciou-se em outubro de 2012

São Paulo, 22 de maio de 2013 – A F5 Networks, líder em soluções de ADN (Application Delivery Networking) –tecnologia que garante a entrega de aplicações rodando em ambiente Web –anuncia a receita de US$ 350,02 milhões no segundo trimestre fiscal de 2013.“Esse resultado é 3% maior que os US$ 339,6 milhões conquistados no segundo trimestre de 2012”,ressalta André Mello, country manager da F5 Networks no Brasil.

Na F5, o ano fiscal de 2013 iniciou-se em 01 de outubro de 2012.

De acordo com Mello, entre os clientes corporativos, os negócios permaneceram relativamente fortes, alimentados pela demanda crescente das ofertas de segurança. “Isso inclui o novo Advanced Firewall Manager e as atualizações da plataforma BIG-IP”. Durante o trimestre, as vendas da BIG-IP 4200v, plataforma apresentada em outubro, continuaram subindo, e as plataformas da série BIG-IP 4000 foram responsáveis por praticamente um quarto das plataformas vendidas para substituir os produtos Cisco ACE.“As vendas do BIG-IP 2000, nossa nova plataforma entry level, ficaram dentro das expectativas. Acreditamos que isso seja um bom prenúncio para o bem-sucedido lançamento de novos produtos adicionais, incluindo as séries BIG-IP 5000 e BIG-IP 7000, novidades que chegarão ao mercado a partir de julho”, observa Mello.

O lucro líquido GAAP do segundo trimestre foi de US$ 63,4 milhões (US$ 0,80 por ação diluída) em comparação com os US$ 69,5 milhões (US$ 0,88 por ação diluída) no primeiro trimestre de 2013 e US$ 68,6 milhões (US$ 0,86 por ação diluída) no segundo trimestre um ano atrás.

Excluindo o impacto da compensação com base em ações e da amortização de ativos intangíveis adquiridos, o lucro líquido não GAAP do segundo trimestre foi de US$ 84,7 milhões (US$ 1,07 por ação diluída), em comparação com os US$ 90,6 milhões (US$ 1,14 por ação diluída) no trimestre anterior e US$ 87,1 milhões (US$ 1,09 por ação diluída) no segundo trimestre do ano fiscal de 2012.

Uma reconciliação do lucro líquido GAAP com o lucro líquido não GAAP está inclusa como anexo nas Declarações Consolidadas de Operações.

Para o terceiro trimestre do ano fiscal de 2013, que termina em 30 de junho, a empresa definiu uma meta de receita de US$ 355 milhões a US$ 365 milhões e uma meta de ganhos GAAP de US$ 0,80 a US$ 0,83 por ação diluída. Excluindo a compensação com base em ações e a amortização de ativos intangíveis adquiridos, a meta de ganhos não GAAP da empresa é de US$ 1,06 a US$ 1,09 por ação diluída. A reconciliação dos ganhos GAAP e não GAAP da empresa é disponibilizada na tabela a seguir:

Três meses finalizados

30 de junho de 2013

Reconciliação dos Ganhos Não GAAP Esperados no Terceiro Trimestre

Baixa Alta

Lucro líquido US$ 63,0 US$ 65,4

Despesa com a compensação com base em ações US$ 27,5 US$ 27,5

Amortização de ativos intangíveis adquiridos US$ 1,0 US$ 1,0

Efeitos fiscais relacionados aos itens acima (US$ 7,7) (US$ 7,7)

Lucro líquido não GAAP excluindo despesas com a compensação

com base em açõese amortização de ativos intangíveis adquiridos US$ 83,8 US$ 86,2

Lucro líquido por ação -diluída US$ 0,80 US$ 0,83

Lucro líquido não GAAP por ação -diluída US$ 1,06 US$ 1,09

Programa de recompra de ações

A empresa também anunciou hoje que a diretoria autorizou um adicional de US$ 200 milhões para o programa de recompra de ações comuns da empresa. Essa nova autorização é adicional aos US$ 81,3 milhões atualmente presentes no programa existente, que foi autorizado inicialmente em outubro de 2010.

Aquisições do programa de recompra de ações serão feitas de tempos em tempos em transações privadas ou compras no mercado aberto, conforme permitido pelas leis de segurança e outros requisitos legais. O programa pode ser modificado ou descontinuado a qualquer momento.

Declarações para o future

As declarações nesse artigo referentes ao esforço continuado dos negócios da F5, o crescimento sequencial, a faixa de receitas e ganhos da meta, o montante de ações e a premissa de preço das ações, a demanda por uma rede de distribuição de aplicativos e de produtos de virtualização de armazenamento e outras declarações que não representam fatos históricos são consideradas declarações para o futuro. Tais declarações para o futuro envolvem riscos e incertezas, assim como suposições e outros fatores, que, se não se mostrarem completamente materializados ou corretos, poderão fazer com que os resultados reais, o desempenho e as conquistas da empresa sejam materialmente diferentes de quaisquer resultados, desempenhos e conquistas futuras expressas ou implícitas em tais declarações para o futuro. Tais fatores incluem, mas não estão limitados a: aceitação do cliente de nosso novo gerenciamento de tráfego, segurança, distribuição de aplicativos, otimização da WAN e ofertas de virtualização de armazenamento; o desenvolvimento oportuno, a apresentação e aceitação de novos produtos e recursos adicionais pela F5 ou seus concorrentes; pressões de preço competitivas, aumentos nos descontos de vendas; condições econômicas mundiais incertas, que podem resultar em uma demanda de clientes reduzida para nossos produtos e serviços e altera os padrões de pagamentos do cliente; a capacidade da F5 em sustentar, desenvolver e efetivamente utilizar os relacionamentos de distribuição; a capacidade da F5 de atrair, treinar e reter pessoal de suporte ao cliente qualificado; a capacidade da F5 de expandir para mercados internacionais; a imprevisibilidade dos ciclos de vendas da F5; o programa de recompra de ações; os preços futuros das ações ordinárias da F5; e outros riscos e incertezas descritos mais detalhadamente em nossos documentos arquivados ou fornecidos à Comissão de Títulos e Câmbios. Todas as declarações para o futuro apresentadas nesse comunicado à imprensa estão baseadas nas informações disponíveis a partir da data aqui expressa e qualificadas na sua totalidade por essa declaração cautelar. A F5 não se compromete a revisar ou atualizar essas declarações para o futuro.

Reconciliação entre o GAAP e o não GAAP

A gerência da F5 avalia e toma decisões operacionais usando várias métricas operacionais. Essas métricas são geralmente baseadas nas receitas de seus produtos, operações de serviços e determinados custos dessas operações, como custo de receita, pesquisa e desenvolvimento, vendas e marketing e despesas gerais e administrativas. Uma dessas métricas é o lucro líquido excluindo a compensação baseada em ação, amortização de ativos intangíveis adquiridos e encargos relacionados à aquisição, líquido de impostos, que é uma métrica financeira não GAAP na Seção 101 do Regulamento G no Securities Exchange Act de 1934, com emendas. Essa métrica consiste em um lucro líquido GAAP, excluindo a compensação baseada em ação, conforme aplicável, amortização de ativos intangíveis adquiridos e encargos relacionados à aquisição. A métrica de lucro líquido não GAAP é ajustada pelo montante de taxas adicionais e benefícios tributários que a empresa auferiria se fossem usados os resultados não GAAP em vez dos resultados GAAP para calcular as obrigações fiscais da empresa. A compensação baseada em ação é uma despesa não realizada em dinheiro que a F5 contabiliza desde 1º de julho de 2005 de acordo com o reconhecimento de valor justo do Financial Accounting Standards Board (“FASB”), Accounting Standards Codification (“ASC”), Tópico 718 Compensação —Compensação de Ações (“FASB ASC Tópico 718”). A amortização de ativos intangíveis é uma despesa não realizada em dinheiro. Os investidores devem ter em conta que o uso de ativos intangíveis contribui para receitas ganhas durante os períodos apresentados e contribuirão para as receitas em períodos futuros. Despesas relacionadas à aquisição consistem em taxas de serviços profissionais incorridos em conexão com aquisições.

A gerência acredita que o lucro líquido não GAAP por ação oferece informação complementar útil para gerências e investidores em relação ao desempenho das operações de negócios centrais da empresa e facilita comparações com os resultados operacionais históricos da empresa. Embora a gerência da F5 ache que essa métrica não GAAP seja útil na avaliação do desempenho de seus negócios centrais, a confiança da gerência nessa métrica é limitada, pois os itens excluídos de tais métricas podem ter um efeito material sobre os ganhos da F5 por ação calculada de acordo com o GAAP. Portanto, a gerência da F5 utilizará seus ganhos não GAAP e ganhos por ação medidos em conjunto com os ganhos GAAP e ganhos por ação medidos para tratar dessas limitações ao avaliar o desempenho dos negócios centrais da empresa. Os investidores devem considerar essas métricas não GAAP somada às métricas de desempenho financeiro de acordo com o GAAP, e não em substituição a essas métricas.

A F5 acredita que a apresentação dessas métricas não GAAP de ganhos e ganhos por ação oferece aos investidores uma ferramenta adicional para avaliação do desempenho dos negócios centrais da empresa que a gerência usa para sua própria avaliação do desempenho da empresa. Os investidores são encorajados a olhar os resultados GAAP como a melhor métrica de desempenho financeiro. Entretanto, embora os resultados GAAP sejam mais completos, a empresa oferece aos investidores uma métrica complementar desde que, com a reconciliação com o GAAP, seja possível uma percepção dos resultados de desempenho operacional e financeiros da empresa.

Parareconciliação dessa métrica financeira não GAAP, consulte a seção“Reconciliação GAAP a não GAAP” em nossa Declaração Consolidadas Condensada de Operações.

Sobre a F5 Networks

A F5 Networks é líder mundial no mercado de Application Delivery Networking (ADN), com foco em garantir a segurança, desempenho e a alta disponibilidade de aplicações. A companhia, que tem sede em Seattle, Estados Unidos, oferece soluções de distribuição de aplicativos entre servidores, entre links de internet e entre data centers, além de firewall de aplicação, VPN SSL e gerenciamento de storage. A empresa está no mercado brasileiro desde 2001, através de distribuidores e revendas. No final de 2005, a F5 instalou oficialmente sua subsidiária brasileira, em São Paulo. Mais informações: www.f5networks.com.br

GAD Comunicação
Fonte GAD Comunicação 25/05/2013 ás 11h

Compartilhe

F5 Networks fatura US$ 350,02 milhões no segundo trimestre de 2013