Estudos apontam ímãs como caminho para as terras-raras brasileiras

Fonte Ascom do MCTI 15/05/2013 às 10h
O Brasil pode aproveitar sua abundância em elementos terras-raras para se tornar fornecedor mundial de ímãs usados na fabricação de carros elétricos e geradores de energia eólica. Estudos que apontam a tendência foram apresentados em audiência pública da subcomissão temporária do Senado Federal para elaborar uma proposta de marco regulatório da mineração e da exploração desses elementos estratégicos, nesta terça-feira (14).

 

Nos próximos meses, o Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) deve lançar um estudo que indica, entre outros pontos, cinco aplicações estratégicas dos elementos no país. “Para nós, hoje, a mais importante delas diz respeito aos ímãs de terras-raras, por sua utilização em vários setores industriais”, adiantou o secretário de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do MCTI, Alvaro Prata, ao comentar resultados da publicação a ser concluída nos próximos meses pelo Centro de Gestão e Estudos Estratégicos (CGEE), organização social supervisionada pela pasta.

“Quando fazemos um ímã com terras-raras, conseguimos a mesma potência com geradores ou motores em volume e peso bem menores que o normal”, explicou Prata. Segundo trabalho apresentado em 2011 pela Fundação Centros de Referência em Tecnologias Inovadoras (Certi), a propriedade de miniaturizar máquinas deve atender aos mercados de carros elétricos e energia elétrica.

O superintendente geral da fundação Certi, Carlos Alberto Schneider, informou que há bastante interesse mundo afora pelo componente. “A indústria alemã já alcançou o desenvolvimento tecnológico do carro elétrico, mas sua viabilização depende do ímã de terras-raras”, contou. “O Brasil tem a matéria-prima, em municípios como Araxá [MG] e Catalão [GO], e pode assumir um espaço nesse cenário estratégico. Temos as jazidas, mas ainda precisamos colocar no mercado automóveis elétricos e geradores de energia eólica.”

De acordo com Prata, para definir as cinco aplicações prioritárias, o estudo do CGEE leva em consideração a demanda mundial, a disponibilidade de recursos no Brasil e a soberania nacional. Além dos ímãs, a publicação assinala como estratégicas as cadeias produtivas de catalisadores, usados no refino de petróleo; ligas metálicas; fósforos luminescentes, matéria-prima de lâmpadas de última geração; e pós para polimento e fabricação de vidros e lentes.

Na opinião do secretário, também haverá espaço para aplicações ainda não dominadas. “Um exemplo que eu dou é o gadolínio, que possui uma característica muito impactante, o efeito magnetocalórico gigante”, disse Prata. “Isso pode ser utilizado para gerar frio e calor, ou seja, estamos falando de uma tecnologia que pode substituir os itens tradicionais da indústria de refrigeração.”

Sustentabilidade

O diretor do Centro de Tecnologia Mineral (Cetem/MCTI), Fernando Lins, alertou para os riscos de contaminação química e radioativa nas minas. “Paradoxalmente, apesar de serem aplicadas na economia verde, para a indústria eólica e a eficiência energética, as terras-raras podem ser altamente poluentes, se não houver o devido cuidado e o uso de boas técnicas”, ressaltou.

“É muito comum que haja tório e urânio nos minérios que contêm terras-raras. Por esse aspecto, a Cnen [Comissão Nacional de Energia Nuclear] está sempre envolvida nos processos para autorizar a produção”, completou.

Segundo Lins, o Cetem teve “uma experiência muito forte” com os elementos de 1989 a 1994, mas, após o domínio do mercado mundial pela China, os trabalhos diminuíram. Recentemente, o governo federal voltou suas atenções às terras-raras. Em quatro anos, o MCTI deve aportar R$ 11 milhões em pesquisa e desenvolvimento na área – R$ 2 milhões destinados à unidade de pesquisa no Rio de Janeiro.

Lins antecipou que o Cetem deve organizar em novembro o 2º Seminário Brasileiro de Terras-Raras. A primeira edição do evento, em 2011, marcou a retomada do interesse nacional pelos elementos. “Essa oportunidade que se abre pode ser a última para o Brasil em se tratando de alta tecnologia”, argumentou o diretor da unidade do MCTI. “Não podemos perder essa chance por falta de articulação entre governo e iniciativa privada.”

Cenário mundial

Atualmente, a China detém 87% da produção de terras-raras no mundo, diante de apenas 0,28% do Brasil. Mas países como Estados Unidos, Austrália e Índia têm voltado a investir na exploração dos elementos. “Pelo cenário atual, podemos ter sobreoferta a partir de 2015, daí a importância de formar uma cadeia, em vez de apenas exportar óxidos”, advertiu o chefe do Departamento de Indústria de Base do Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES/MDIC), José Guilherme Cardoso.

Também participaram da audiência no Senado o secretário de Geologia, Mineração e Transformação Mineral do Ministério de Minas e Energia (MME), Carlos Nogueira, e o gerente executivo de Inovação e Tecnologia do Serviço Nacional da Indústria (Senai), Jefferson Gomes. O senador Anibal Diniz (PT-AC) preside a subcomissão, que tem Luiz Henrique (PMDB-SC) como relator.

Ascom do MCTI
Fonte Ascom do MCTI 15/05/2013 ás 10h

Compartilhe

Estudos apontam ímãs como caminho para as terras-raras brasileiras