Estádio Célio de Barros e a Assembleia Geral da CBAt

Fonte FPA 06/03/2013 às 10h
A comunidade atlética nacional não se conforma com a situação imposta aos desportistas do Rio de Janeiro com a desativação das instalações de um dos mais importantes ícones do desporto nacional - o Estádio Célio de Barros. Essa decisão agride a história da mais importante disciplina do movimento olímpico na cidade sede dos Jogos de 2016.

Enquanto as demais modalidades terão um legado olímpico, em termos de excelentes locais de competição, o Atletismo do Rio perde o seu único Estádio próprio. Agora já enfrenta enormes dificuldades, com a interdição desse espaço. Findos os Jogos, o Atletismo nada terá, já que o Engenhão é praticamente de uso exclusivo do futebol. O Engenhão poderá, quando muito, em horários ociosos, servir para treinamento de algumas provas. Para competições, só em casos excepcionais, como nos Grand Prix, pois os custos de sua utilização são muito altos.
A Confederação Brasileira de Atletismo irá se pronunciar sobre o assunto em sua Assembleia Geral do próximo dia 15. Ex-atletas, símbolos do Atletismo do Rio, indicados pela Representação de Área da IAAF na América do Sul, estarão presentes para fazer uma exposição sobre a difícil situação enfrentada por atletas e treinadores. Presidentes de Federações Estaduais, Clubes e Medalhistas Olímpicos do Atletismo irão se manifestar.
Informações chegadas ao conhecimento da CBAt dão conta de que o local próximo ao atual Célio de Barros, que deverá ser oferecido em compensação ao Atletismo e à natação, não comporta as duas modalidades. O espaço daria para construir uma pista inadequada, jamais um Estádio. Não é razoável, não é admissível.
A Associação Internacional de Federações de Atletismo - IAAF - já fez um contundente pronunciamento sobre o assunto, por intermédio de seu Presidente, Lamine Diack, e pelos Presidentes ou Representantes de suas seis Áreas Continentais. Em Moscou, nos dias 4, 5 e 6 de abril, na reunião do Conselho da Entidade, será apresentado um relatório pormenorizado sobre esse caso.
Enfim, a expectativa é de que o Governo do Rio reverta a sua posição. Que mantenha o Célio de Barros. Ou que, pelo menos, construa um Estádio de porte médio para a modalidade que, na Cidade Maravilhosa, deu ao País os medalhistas olímpicos José Telles da Conceição, Robson Caetano e Arnaldo de Oliveira, além de uma lista inumerável de medalhistas em mundiais, copas do mundo, pan-americanos, sul-americanos. Com projeto a ser discutido junto à comunidade desportiva e com prazo curto de construção, para evitar prejuízos maiores. Não pode ser um arremedo de Estádio.

FPA
Fonte FPA 06/03/2013 ás 10h

Compartilhe

Estádio Célio de Barros e a Assembleia Geral da CBAt