Escola de cinema de Cuba chega ao Brasil oferecendo cursos de curta duração

Fonte Agência Brasil 14/05/2012 às 22h
Uma das escolas de cinema mais importantes do mundo chega agora ao Brasil. Para disseminar o conhecimento cinematográfico adquirido em 25 anos de experiência, ampliar o intercâmbio cultural entre cineastas de todo o continente e melhorar a integração do cinema brasileiro com o restante do mundo, a prestigiada Escuela Internacional de Cine y Televisión (EICTV), de Cuba, vai oferecer cursos intensivos e de curta duração em São Paulo e no Rio de Janeiro. Os cursos fazem parte do programa Extramuros, que recebeu esse nome justamente porque as aulas vão acontecer fora dos muros da escola, que tem sua sede na cidade de San Antonio de los Baños, em Cuba.

“Hoje o cinema é uma arte altamente globalizada. São muito poucas as indústrias que conseguem viver muito tempo no isolamento. E o Brasil não é um país isolado no mundo, mas a nossa indústria cinematográfica está pouco integrada [ao resto do mundo]. Vejo muito mais integração dentro da indústria argentina, por exemplo, que trabalha mais em co-produção [do que no Brasil]”, disse Marcelo Müller, coordenador dos cursos da EICTV Extramuros no Brasil. Müller é também coroteirista do filme Infância Clandestina, um longa metragem coproduzido por Brasil, Argentina e Espanha e que vai estrear no próximo dia 20 na Quinzena de Realizadores, em Cannes.

A EICTV foi criada no final de 1986 por uma comissão de cineastas latino-americanos com o objetivo de promover a cultura audiovisual na América Latina e em todo o mundo. A cada ano uma média de 40 jovens se formam em seu curso regular, em Cuba. Em seus 25 anos de história, 736 pessoas, de 55 países, já passaram pela escola. “O grupo de brasileiros na escola é o maior entre todas as nacionalidades. O Brasil sempre foi, e continua sendo, a maior comunidade dentro da escola. Mais de 12% de todos os formados são brasileiros”, disse Müller à Agência Brasil.

Segundo Müller, a estrutura da escola tem propiciado uma integração entre cineastas de todo o continente americano, o que tem resultado em filmes de coprodução (com realização de vários países) ou da reunião de profissionais de diferentes nacionalidades trabalhando em um único projeto. “Isso tem uma importância muito grande quando a gente pensa no isolamento do cinema brasileiro, que é um cinema que finalmente, após muito tempo, começa a pensar na coprodução e muito mais em participar do mercado internacional de cinema. Isso não é algo que se faz só pensando no produto, mas também em com quem a gente quer falar, que tipo de coisa a gente quer falar e qual é a visão que temos sobre isso. Neste sentido, a escola tem sido muito importante para trabalhar a integração regional dentro do audiovisual”, ressaltou Müller.

O programa Extramuros, explicou o coordenador, começou a ser discutido em Cuba há menos de um ano. “Nesse momento, a ponta de lança são cursos curtos e intensivos com duração de duas semanas”, disse. O programa já começou a ser implementado também em outros países, como Espanha e República Dominicana, e deve ser direcionado também para a Argentina e para o Paraguai. “Mas o Brasil é o mais adiantado de todos: somos os primeiros a estabelecer o projeto de verdade e com uma série de atividades. O projeto não se limita só a cursos de curta duração. Nos próximos meses, estaremos editando alguns livros no Brasil que foram publicados em Cuba, resultado do trabalho realizado lá na escola. O primeiro se chama Simples Assim e é uma seleção das melhores aulas magnas dadas no início da escola, em que participa, por exemplo, [o cineasta] Francis Ford Coppola”, disse.

Também há a intenção de se ampliar o programa, oferecendo cursos de produção internacional já no segundo semestre deste ano e negociando parcerias com instituições e governos para desenvolver programas de formação. “A partir dos próximos meses vamos começar a entrar em contato com essas instituições ou poderes públicos para, em parceria, poder desenvolver programas de formação que sejam muito mais completos e que possam ter uma repercussão maior na qualificação profissional e na maneira como tratamos o audiovisual no Brasil”, disse.

O primeiro curso a ser oferecido pela instituição no Brasil, Escrevendo para Atores, Atuando para Roteiristas, começa na próxima segunda-feira (21), no Centro Cultural B_arco, em Pinheiros, em São Paulo. O curso será ministrado pela professora argentina Mônica Discépola, que leciona na EICTV há 15 anos. O custo é R$ 2,1 mil, por 50 horas-aula. “Consideramos o valor um pouco alto, mas como são apenas 15 alunos por turma, esse valor é o resultado de uma conta muito simples: o custo dividido pelo número de alunos”, explicou Müller.

O segundo curso é o de Montagem Cinematográfica, com o professor argentino Alberto Ponce, que é formado pela escola e um dos montadores de maior prestígio em seu país. O curso ocorre de 4 a 16 de junho na Editora Intermeios, também em Pinheiros.

O último curso é de Roteiro para Curta-Metragem, com a professora espanhola Yolanda Barrasa, que ocorre no Rio de Janeiro entre os dias 4 e 15 de junho, no Tempo Glauber, e em São Paulo, de 18 a 29 de junho, na Editora Intermeios.

Informações e inscrições sobre os cursos e o projeto Extramuros pelo e-mail extramurosbrasil@eictv.co.cu

Agência Brasil
Fonte Agência Brasil 14/05/2012 ás 22h

Compartilhe

Escola de cinema de Cuba chega ao Brasil oferecendo cursos de curta duração