Empresas brasileiras não contam com um nível elevado de segurança de TI

Fonte RMA Comunicação 04/03/2013 às 22h

É o que revela recente estudo da Arcon feito com executivos de 125 empresas das 500 maiores do país. 60% dos entrevistados indicaram como prioridade de negócio o melhor monitoramento dos dados da empresa.

Quando o assunto é segurança da informação, todos são unânimes em dizer que os dados da empresa e dos clientes são um dos principais ativos das companhias. Mas esses dados estão sendo protegidos de forma eficaz? Recente estudo de mercado da Arcon, empresa especializada em serviços gerenciados de segurança, sobre o comportamento das empresas quanto à questão da segurança corporativa, mostra que não. A pesquisa foi realizada durante o ano de 2012 com 170 executivos que representam 125 companhias listadas entre as 500 maiores empresas do país.

O resultado mais surpreendente é que a grande maioria, 78% dos entrevistados, avaliou que o nível de maturidade de suas empresas em segurança de TI, em uma escala de 1 a 5, chega até 3. “Nenhum dos executivos conseguiu classificar sua empresa no maior nível da escala, que era 5, o que mostra que o nível de segurança das empresas está mais para o discurso do que a prática”, afirma Flávio Carvalho, diretor de serviços da Arcon.

Ainda de acordo com o levantamento, 60% dos entrevistados indicaram que o investimento na melhoria do monitoramento dos dados da empresa é prioridade de negócio para os próximos 12 meses, e 65% admitiram a necessidade real de adoção de sistemas e processos para diminuição dos riscos em seus ambientes.

Corroborando os números da Arcon, recente pesquisa do IDC Brasil mostrou que apenas 15% das 206 empresas entrevistadas pela IDC no Brasil sabiam o que comprar na área de Segurança da Informação. Ainda assim, o mercado total de Segurança da Informação no Brasil movimentou US$ 779 milhões em 2011 e deverá manter um ritmo constante de crescimento nos próximos cinco anos, segundo dados do IDC.

Mas o problema não se atém apenas ao Brasil. Estudo global da Edelman Privacy Risk Index mostra que as empresas do mundo todo ainda estão despreparadas para lidar com segurança e a privacidade dos dados coletados diariamente. O estudo ouviu mais de 6.400 executivos que gerenciam dados em 29 países, incluindo o Brasil.

Em geral, os resultados mostraram ainda pouco investimento para proteção dos dados das empresas, o que gera um aumento dos riscos financeiros para a instituição e sua reputação.





Sobre a Arcon

Atuando no mercado nacional desde 1995, a Arcon é uma empresa especializada em serviços gerenciados de segurança (MSS – Managed Security Services). A companhia tem por missão selecionar, implantar, monitorar e operar sistemas de proteção da informação que maximizem o resultado dos investimentos e aumentem o nível de segurança das empresas de médio e grande porte do Brasil.

Com SOCs redundantes localizados nas cidades do Rio de Janeiro e São Paulo e uma equipe de profissionais de segurança certificados e altamente capacitados, a Arcon gerencia mais de 300 ativos de segurança em todo o País, protegendo mais de 160.000 estações de trabalho e servidores de clientes de diversas verticais, entre elas finanças, telecomunicações, governo, indústria, saúde, energia e educação.

Nos últimos cinco anos a empresa cresceu a uma média de 37% ao ano, conquistou mais de uma centena de clientes e firmou-se como referência no mercado brasileiro de MSS, tendo conquistado ainda o primeiro lugar no ranking Anuário Outsourcing, no segmento MSS, em 2010 e 2011.

www.arcon.com.br





 
RMA Comunicação
Fonte RMA Comunicação 04/03/2013 ás 22h

Compartilhe

Empresas brasileiras não contam com um nível elevado de segurança de TI