Embrapii se reúne após definição de modelo institucional

Fonte Ascom do INT 22/03/2013 às 9h
O Instituto Nacional de Tecnologia (INT/MCTI) sediou, nesta terça-feira (19), a quinta reunião de acompanhamento do projeto piloto da Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial (Embrapii) – a primeira após a definição do modelo institucional pela presidenta Dilma Rousseff. Participaram representantes da Confederação Nacional das Indústrias (CNI) e dos institutos integrantes do programa piloto: INT, Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT) e Centro Integrado de Manufatura e Tecnologia (Senai/Cimatec).

 

O consultor da CNI para essa iniciativa, o economista Roberto Vermulm, prevê que até o final do ano a organização social (OS) Embrapii esteja funcionando plenamente. Vermulm, que é ex-diretor de Desenvolvimento Científico e Tecnológico da Finep, destacou a importância da atividade do programa piloto, que indicou caminhos para melhor operar a entidade e definir os critérios de credenciamento de novas Instituições.

“A fase piloto mostrou a capacidade das instituições de pesquisa de conversarem com as empresas e fomentarem projetos. O programa levou-as a serem mais proativas na busca pela interação com o setor privado: uma novidade no sistema, que trocou a postura ofertista de conhecimento por uma operação de acordo com demanda das empresas”, destaca o economista.

O consultor da CNI indica ainda que, assim como na fase piloto, a Embrapii não deverá trabalhar com todos os serviços de uma instituição científica e tecnológica (ICT), mas com áreas específicas de competência, relacionadas às prioridades estratégicas do sistema de ciência, tecnologia e inovação (CT&I) no momento.

Recorte

Segundo Vermulm, a experiência revelou como deve ser definida a área de atuação de cada instituto. “O foco não deve se restringir a um universo de poucas empresas, como aconteceu com o IPT em sua escolha pela bionanomanufatura, nem ser tão amplo quanto o do Cimatec, que optou por manufatura e automação”, aponta.

"A definição por setores de atividade econômica – como fez o INT, com sua opção por atuar com energia/petróleo e gás e com saúde – dá pista de como as ICTs deverão trabalhar junto à Embrapii", conclui.

Quanto ao modelo OS, o diretor da Finep avalia que criará institucionalidade e aumentará as possibilidades de atuação. “A definição pode acelerar os processos e tornar a atividade mais flexível, aproximando-a da agilidade de operação de uma empresa do setor privado”, afirma.

A próxima etapa de trabalho do projeto da Embrapii será criar a sociedade civil, composta por um grupo de associados, que pode incluir pessoas físicas ou jurídicas. Essa primeira etapa, informa Roberto Vermulm, pode ser resolvida em uma única assembleia de criação.

Leia mais.

 

 

Ascom do INT
Fonte Ascom do INT 22/03/2013 ás 9h

Compartilhe

Embrapii se reúne após definição de modelo institucional