Educação ambiental deve ser priorizada, para evitar o risco de formar novas gerações ainda mais consumistas

Fonte Ascom - MMA 20/03/2013 às 9h

Poder público, terceiro setor e outros segmentos da sociedade devem dar prioridade a ações de educação ambiental como forma de combater o aquecimento global e os demais prejuízos causados ao meio ambiente. O assunto foi discutido, nesta terça-feira (19/03), durante audiência pública da Comissão Mista de Mudanças Climáticas (CMMC) do Congresso Nacional. Na sessão, parlamentares e representantes do governo federal e da sociedade civil defenderam a adoção de medidas que ressaltem a importância da sustentabilidade no ambiente escolar.

As diversas ações do Ministério do Meio Ambiente (MMA) na área de conscientização contribuem, entre outros, para a redução das emissões de gases de efeito estufa. De acordo com o diretor do Departamento de Educação Ambiental do MMA, Nilo Diniz, haverá, neste ano, uma conferência infanto-juvenil com o objetivo de discutir a preservação ambiental com jovens de todo o país. “Esse assunto também coincide com as mudanças climáticas, porque a questão do desmatamento será abordada”, exemplificou. “Há projetos para tornar a escola um ambiente cada vez mais sustentável.”

ATUALIZAÇÃO

A revisão do Plano Nacional de Mudanças Climáticas, iniciada na última semana, também surge como instrumento fundamental na adoção de estratégias voltadas para o problema do aquecimento global. “A proposta é fazer uma atualização enxuta do documento e fortalecer tanto a adaptação quanto o diálogo com os governos estaduais e municipais”, explicou Diniz. “A revisão será importante para compatibilizar os objetivos do plano e terá a participação efetiva da sociedade.”

O coordenador do Programa Educação para Sociedades Sustentáveis da WWF, Fábio Cedrin, destacou a necessidade de mudança nos padrões impostos pelo mundo moderno e praticados por grande parcela da população. “Estamos caminhando a passos largos para uma sociedade consumista”, sentenciou. “É preciso levar informação de qualidade para as escolas e atentar para o que está sendo ensinado para as nossas crianças.”

Conduzida pelo presidente em exercício, deputado Sarney Filho (PV-MA), a audiência da CMMC contou ainda com a participação do secretário executivo do Fórum Brasileiro de Mudanças Climáticas, Luiz Pinguelli, e do secretário executivo da Agência de Notícias dos Direitos das Crianças (Andi), Veet Vivarta.

Ascom - MMA
Fonte Ascom - MMA 20/03/2013 ás 9h

Compartilhe

Educação ambiental deve ser priorizada, para evitar o risco de formar novas gerações ainda mais consumistas