Desemprego entre jovens caiu para 15% no país, diz OIT

Fonte Agência Brasil 21/05/2012 às 19h
A quantidade de jovens empregados cresceu no Brasil nos últimos cinco anos, ao contrário do que ocorreu em boa parte do mundo. A taxa de desempregabilidade brasileira considerada “notável” pela Organização Mundial do Trabalho (OIT), caiu de 21,8% para 15,2% entre 2007 e 2011. Os dados fazem parte do conjunto de dados do relatório Tendências Mundiais do Emprego Juvenil 2012, que projeta para este ano o desemprego de cerca de 75 milhões de jovens, o que corresponde a 12,7% da parcela mundial dessa população.

O estudo da organização constatou que há estagnação no mercado de trabalho desde 2008, como consequência da crise econômica. A atual taxa de desemprego mundial é praticamente igual à de 2009, quando houve o pico de desemprego juvenil, após uma tendência de queda entre 2005 e 2008 – período em que aproximadamente 7 milhões de jovens entraram no mercado de trabalho.

A queda do desemprego juvenil no Brasil faz que o país esteja com taxa inferior à de países desenvolvidos, inclusive da União Europeia, que deve chegar a 18% neste ano. Na América Latina e Caribe, a média de desemprego dessa população está em torno de 14,3%, com previsão de chegar a 14,6% até 2016.

De acordo com a professora de administração da Universidade de Brasília (UnB), Débora Barem, o Brasil não sofreu as consequências da crise econômica mundial com a mesma intensidade que outros países.

“Estamos em franco crescimento econômico e produtivo. Os empresários e as indústrias estão investindo e contratando mais gente. É natural que haja menos desemprego e eu acredito que isso vá se perpetuar”, explicou Débora.

Segundo o relatório da OIT, a falta oportunidade a profissionais jovens faz que eles procurem trabalhos temporários, de baixa produtividade, em que executam funções aquém de suas capacidades e recebem salários mais baixos do que o desejado. O estudo ainda constatou que capacitação e níveis mais altos de educação não necessariamente são convertidos em melhores empregos e mercados de trabalho mais eficientes.

Em todo o mundo, cresce a quantidade de jovens no grupo dos Neet (sigla em inglês para: sem estar estudando, trabalhando ou em treinamento). Estima-se que 10% de toda a população juvenil esteja nessa situação.

“O sistema econômico não tem prioritariamente orientação para empregar, mas para competir. Essa competitividade exige formação cada vez mais sofisticada dos jovens, mas o mercado não tem compromisso com isso. A pessoa pode se aperfeiçoar, mas o mercado só os assume se tem vaga. Existe um descompasso entre a necessidade de se empregar e a disponibilidade do mercado”, disse o professor emérito da UnB, o sociólogo Pedro Demo.

As consequências desse excesso de mão de obra e escassez de demanda por empregados são mudanças de perspectivas profissionais, sociais, financeiras e psicológicas, informou o relatório da organização. O estudo aponta que pessoas desempregadas em algum momento da juventude tendem a ter salários entre 8,4% (homens) e 13% (mulheres) mais baixos no futuro.

De acordo com a OIT, os países podem adotar políticas para minimizar os efeitos da falta de emprego entre jovens, como políticas de crescimento macroeconômico, concessão de benefícios para contratação (incentivos fiscais ou subsídios, por exemplo), estratégias de proteção social, parcerias entre os setores público, privado e a sociedade civil e fortalecimento do banco de informações sobre essa parcela do mercado de trabalho.

As regiões em desenvolvimento com as piores perspectivas de desemprego entre jovens, segundo a OIT, são o Norte da África, seguido do Oriente Médio – com 27,8% e 26,9%, respectivamente. O Leste Asiático é a região com o melhor índice para 2012, 9,3%.

Agência Brasil
Fonte Agência Brasil 21/05/2012 ás 19h

Compartilhe

Desemprego entre jovens caiu para 15% no país, diz OIT