Deputados e filho de Herzog pedem saída de presidente da CBF por envolvimento com a ditadura

Fonte Agência Brasil 02/04/2013 às 8h

 

Rio de Janeiro – Os deputados federais Romário (PSB-RJ) e Jandira Feghali (PCdoB-RJ) e o engenheiro Ivo Herzog, filho do jornalista Vladimir Herzog, entregaram ontem (1º), na Confederação Brasileira de Futebol (CBF), uma petição com quase 53 mil assinaturas e que foi aberta no dia 18 de fevereiro. O pedido é para que o presidente da instituição, José Maria Marin, deixe o comando da CBF devido ao seu envolvimento com o regime militar.

Herzog disse que não havia ninguém da diretoria da CBF para receber a documentação, que foi entregue no Protocolo e direcionada também para as 27 federações estaduais e para os 20 clubes de futebol que compõem o colégio eleitoral da CBF.

“Entregamos cópia da petição, com mais de 53 mil assinaturas, cópia dos discursos do Marin na época, em 1974 e outro em 1976, um contra o meu pai e outro quando ele faz os elogios ao [delegado] Sérgio Fleury. Então, todas as federações estaduais e todos os clubes de futebol sabem agora quem é José Maria Marin. Cabe a eles se manifestarem contra, ou, se ficarem calados, é um sinal de conivência”, disse Herzog.

De acordo com o engenheiro, o objetivo é fazer com que os times se posicionem quanto à liderança que querem na Copa do Mundo de 2014. Para Herzog, a falta de um diretor para recebê-los foi, no mínimo, falta de cavalheirismo, além de um ato antidemocrático. Ele se diz disposto a conversar, pois suas alegações são contestadas por Marin.

“Eu quero perguntar qual foi o papel verdadeiro do José Maria Marin naquele tempo. Pelas informações que a gente tem, foi o pior dos papéis que ele poderia desempenhar, sendo não só conivente como incentivando a violência do Estado e elogiando os executores”.

O deputado Romário diz que existe o pedido de abertura de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) na Câmara para investigar a CBF. “Pelo momento do Brasil, principalmente pelos grandes eventos que vem pela frente, como Copa das Confederações e Copa do Mundo, eu acredito que seja de suma importância a abertura dessa CPI, para que o Brasil realmente tenha noção, antes de começar esses grandes eventos, o que é a CBF, o que faz e o que vem fazendo essas pessoas que trabalham na confederação e principalmente no que se refere a essa administração nova”, disse o ex-jogador.

De acordo com a deputada Jandira Feghali, os documentos reunidos pelo filho do Vladimir Herzog, jornalista que foi assassinado na prisão em 1975 nas dependências do Destacamento de Operações de Informações - Centro de Operações de Defesa Interna (DOI-Codi), órgão ligado ao Exército, devem ser levados para a Comissão Nacional da Verdade (CNV). “Eu acho que de imediato, esses documentos que o Ivo Herzog e que essas duas comissões [da Câmara], da Cultura e do Esporte, trazem à CBF podem ir para a Comissão Nacional da Verdade. Com a instalação da CPI, claro que isso seria mais desenvolvido, mas de imediato isso deveria ir para a Comissão da Verdade, na investigação dos crimes da ditadura, e envolver as pessoas que, direta ou indiretamente, se envolvem na prisão e nos crimes que foram cometidos pela ditadura”.

A CNV informa que só tomou conhecimento da discussão pela imprensa, mas que, se os deputados ou Ivo Herzog quiserem levar os documentos reunidos, o assunto pode ser investigado. No momento, não há investigação na comissão sobre o envolvimento de José Maria Marin com o regime militar.

A assessoria da CBF informou que a instituição não vai comentar o assunto, mas publicou, em seu site, no dia 13 de março, uma contestação às acusações. Em um dos trechos do texto diz que que se trata de “má-fé e irresponsabilidade de pseudojornalistas que lá, tal como agora, com característico ânimo criminoso, empenharam-se na desmoralização de pessoas de bem, para satisfazer maus instintos, entretendo-se em atirar, em quem os mira de cima, a lama em que chafurdam esses delinquentes”. Anteriormente, também havia sido publicado no site da instituição que o assunto dizia respeito apenas à pessoa de Marin, e não à CBF.

De acordo com Ivo Herzog, o fato da contestação ter sido publicada no site oficial da instituição, faz com que a CBF possa responder juridicamente pelo caso.

Agência Brasil
Fonte Agência Brasil 02/04/2013 ás 8h

Compartilhe

Deputados e filho de Herzog pedem saída de presidente da CBF por envolvimento com a ditadura