De longos expedientes em fábricas à posição de empresária

Fonte Oficina das Palavras 03/03/2013 às 20h

BLUMENAU (SC) – Desde a Revolução Industrial, as mulheres vêm conquistando espaços e direitos que antes eram exclusivos dos homens. Direito ao voto, salários equivalentes a de seus colegas, cargos de alto nível hierárquico. O Dia Internacional da Mulher, oficializado pela Organização das Nações Unidas (ONU) em 1975, marca essa evolução da identidade feminina, principalmente profissional, que começou como uma reivindicação de tecelãs por melhores condições de trabalho em uma fábrica nos EUA.

A competição e o preconceito ainda persistem no mundo corporativo e para não se deixar abater, as mulheres podem utilizar técnicas milenares. Adaptado do livro “A Arte da Guerra”, de Sun Tzu, general e estrategista militar chinês, a Master Coach Senior Janaína Manfredini oferece um curso que se baseia nas artes da guerra para mostrar o caminho do sucesso às mulheres. O workshop “A arte da guerra para mulheres bem sucedidas” utiliza os ensinamentos do livro que é considerado por muitos como a origem do conceito de estratégia. Pode parecer puramente militar, mas é perfeitamente adaptável aos negócios, às empresas e até mesmo à vida pessoal. Se os ensinamentos são utilizados por líderes do mundo todo, por que a mulher ficaria de fora?

“É importante conhecermos as estratégias de nossos colegas, pares ou até concorrentes. Isso contribui para os resultados a serem alcançados. Quando consideramos esse ‘campo de batalha’ muito masculino, podemos estar caindo em uma armadilha e deixando de usar as mesmas armas”, conta Janaína, ministrante do workshop que já tem agenda para diversos Estados brasileiros.

Arte da guerra para mulheres

O curso ensina às participantes o caminho do sucesso. Para conquistá-lo, Sun Tzu elencou certos elementos essenciais: postura moral, retidão, condições do ambiente, sincronização, terra, vantagem e desvantagem, liderança, administração e disciplina. “A arte da guerra tem a ver com arte e não com guerra. Entende-se por ‘guerra’ qualquer situação do dia a dia. A mulher que conhece esses princípios está apta a vencê-los de forma muito mais rápida e simples. É o que o Sun Tzu diz sobre‘vencer sem desembainhar a espada’”, explica Janaína. E não é apenas no campo profissional que esses elementos se aplicam. “Não existe plenitude e felicidade quando a vida não é completa e plena, e isso inclui mais do que o aspecto profissional. O bom profissional depende dos outros aspectos da vida desenvolvidos”, assegura a Coach.

História do Dia da Mulher

No dia 8 de março de 1857, operárias de uma fábrica de tecidos de Nova Iorque fizeram uma greve e ocuparam a fábrica para reivindicar melhores condições de trabalho, como redução na carga diária de trabalho de 16 para 10 horas, salários iguais aos dos homens (que chegavam a ganhar três vezes mais pelo mesmo tipo de trabalho) e recebimento de tratamento digno.

Como reprimenda à greve, as tecelãs foram trancadas na fábrica, que foi incendiada e acarretou a morte de aproximadamente 130 mulheres. Em 1910, durante uma conferência na Dinamarca, decidiu-se que o dia 8 de março passaria a ser o "Dia Internacional da Mulher", em homenagem às vítimas. Porém, a data só foi oficializada pela ONU em 1975.

Informações para imprensa – Oficina das palavras
Letícia Klein
jornalismo3@grupoodp.com.br

(47) 3322-0545 / (47) 9994-3200

Effecta Coaching

www.effectacoaching.com.br

Telefone: (47) 9959-0259

Blumenau SC

 

 

Oficina das Palavras
Fonte Oficina das Palavras 03/03/2013 ás 20h

Compartilhe

De longos expedientes em fábricas à posição de empresária