Da política à militância pela paz, o retrato da mulher africana de hoje

Fonte Agência Brasil 08/03/2013 às 7h

Brasília - A força e a importância das mulheres para o Continente Africano podem ser vistas no documentário Mulheres Africanas – a Rede Invisivel. Com narração de Zezé Motta, o documentário leva às telas a história de cinco mulheres : Graça Machel, Leymah Gbowee, Mama Sara Masari, Luisa Diogo e Nadine Gordiner, que contam de forma emocionante suas histórias e levam a plateia a uma profunda reflexão da vida e da atuação da mulher na região.

Segundo o diretor Carlos Nascimbeni, a ideia do documentário surgiu da produtora executiva Monica Monteiro, que queria mostrar, por meio dessas mulheres, as transformações políticas e econômicas por que passa o continente. “Fizemos um recorte de mulheres ícones em cinco áreas: politica, educação, literatura, militância pela paz e política e empresarial”.

Nascimbeni conta que o documentário trabalha não só com esses depoimentos, mas também com situações do dia a dia. “Por meio do depoimentos delas e da cena cotidiana que filmamos, o público vai ter uma informação sobre qual é a atuação da mulher africana por meio dessas mulheres de ponta e também das mulheres comuns, por isso a rede invisível”.

Foram mais de 30 dias de filmagem na África do Sul, na Tanzânia, em Gana e em Mocambique. Segundo o diretor, existe uma noção de que a mulher africana é submissa, mas a mulher tem um papel fundamental no tecido social africano.” Elas cuidam da plantação dos alimentos. Quem está mo mercado atacadista, comprando e vendendo esses alimentos, são também mulheres”.

O filme foi produzido pela Cinevideo, a única produtora brasileira com filial na África, estreou com sucesso em um dos festivais de documentários mais importantes da África, o 7º Dockanema, em Moçambique, e participou do Festival do Rio.

Agência Brasil
Fonte Agência Brasil 08/03/2013 ás 7h

Compartilhe

Da política à militância pela paz, o retrato da mulher africana de hoje