Cúpula América do Sul-África pedirá a reforma da ONU

Fonte Agência Brasil 19/11/2009 às 0h
A declaração final da II Cúpula América do Sul-África (ASA), que acontecerá neste fim de semana na venezuelana Ilha de Margarita, pedirá a reforma da Organização das Nações Unidas (ONU) para que este organismo atenda a todas as nações, segundo antecipou o vice-chanceler venezuelano para a África, Reinaldo Bolívar.

Nos últimos dias, altos funcionários dos países-membros da ASA se reuniram para elaborar os documentos e acordos que serão submetidos aos chefes de Governo. O encontro terá também o objetivo de aumentar a cooperação Sul-Sul, especialmente nos setores de alimentação, saúde, energia, tecnologia e turismo.

Até o momento, foram confirmadas as presenças de 20 governantes africanos, entre eles o líbio Muammar Kadafi e Robert Mugabe, do Zimbábue. Os presidentes de Brasil (Luiz Inácio Lula da Silva), Bolívia (Evo Morales), Chile (Michelle Bachelet), Equador (Rafael Correa), Paraguai (Fernando Lugo), Uruguai (Tabaré Vázquez) e Argentina (Cristina Kirchner) também confirmaram suas participações.

Vázquez, que esteve nos Estados Unidos para participar da 64ª Assembleia Geral da ONU, iniciada na última quarta-feira, já está na Venezuela, assim como os presidentes do Mali, Amadou Toumani, e do Niger, Mamadou Tandja.

Lula, que está em Pittsburgh, onde participará hoje da reunião de chefes de Estado e de Governo do G20 Financeiro, deverá viajar no fim do dia. Sua chegada à Venezuela está prevista para as 22h30 locais.

Para o evento, que será celebrado em um dos principais hotéis da ilha, as autoridades venezuelanas prepararam um intenso esquema de segurança com medidas estritas, que incluem a proibição ao porte de armas na região.

A primeira reunião da ASA ocorreu novembro em 2006 na Nigéria, onde foi firmada a Declaração de Abuja e acordado o Plano de Ação e Resolução, com a criação do Fórum Cooperativo África-América do Sul (ASACOF).
Agência Brasil
Fonte Agência Brasil 19/11/2009 ás 0h

Compartilhe

Cúpula América do Sul-África pedirá a reforma da ONU