Coreia do Sul quer ampliar parcerias com o Brasil nas áreas de comércio, ciência e tecnologia

Fonte Agência Brasil 28/05/2012 às 9h
O ministro dos Negócios Estrangeiros e Comércio da República da Coreia do Sul, Kim Sung-hwan, conclui hoje (28) visita de dois dias ao Brasil com uma reunião com o ministro das Relações Exteriores, Antonio Patriota. Em pauta, a ampliação da cooperação nas áreas de comércio, investimentos, ciência, tecnologia e inovação.

A 15 dias do começo da Conferência das Nações Unidas para o Desenvolvimento Sustentável, a Rio+20, que ocorrerá de 12 a 23 de junho no Rio de Janeiro, o assunto é um dos principais temas da conversa de Sung-hwan e Patriota. A expectativa é que a Coreia do Sul participe ativamente da conferência. No total, são esperados mais de 120 chefes de Estado e de Governo para o evento.

Na reunião com Patriota, Sung-hwan assinará o memorando de entendimento sobre a parceria para a formação de diplomatas sul-coreanos e brasileiros, com o apoio do Instituto Rio Branco (responsável pela formação de diplomatas brasileiros) e da academia diplomática sul-coreana (cujo nome em inglês é Korea National Diplomatic Academy).

Há ainda expectativa em torno da viagem do ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Fernando Pimentel, à Coreia do Sul, que deve ocorrer nos próximos dias. Pimentel pretende negociar a possibilidade de fechar parcerias para a fabricação de veículos híbridos – movidos a eletricidade e etanol – no Brasil. A ideia é estimular uma nova política automotiva a partir de 2013.

Em 2011, a Coreia do Sul ocupou a colocação de sétimo parceiro comercial do Brasil, registrando um fluxo de comércio bilateral de US$ 14,8 bilhões – com mais de 274% de aumento em cinco anos. Com aporte de US$ 1,08 bilhão em 2011, a Coreia do Sul é considerado um dos principais investidores estrangeiros no Brasil, nas áreas de petrélo, eletroeletrônico e de transportes.

Agência Brasil
Fonte Agência Brasil 28/05/2012 ás 9h

Compartilhe

Coreia do Sul quer ampliar parcerias com o Brasil nas áreas de comércio, ciência e tecnologia