Conjunto Moderno da Pampulha recebe certificado de Patrimônio

Fonte Ministério da Cultura 15/08/2016 às h

 

O Conjunto Moderno da Pampulha é integrado pela Igreja de São Francisco de Assis (foto: Acácio Pinheiro), o Cassino, a Casa do Baile e o Iate Golfe Clube 
 

 

Da prancheta do então jovem arquiteto Oscar Niemeyer (1907-2012), saíram as curvas que inauguraram um novo jeito de se apresentar o Brasil moderno: o Conjunto Moderno da Pampulha, erguido em 1943, em Belo Horizonte (MG). Além de ser um marco para a arquitetura brasileira, o espaço contou com o trabalho de outros gênios das artes brasileiras. Entre eles, Roberto Burle Marx, que assina o paisagismo, e Candido Portinari, autor do painel externo de azulejos da Igreja de São Francisco de Assis.

 

A obra ganhou o mundo e conquistou, em julho deste ano, durante a 40ª sessão do Comitê do Patrimônio Mundial da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco), o título inédito de Paisagem Cultural do Patrimônio Moderno. Nesta quarta-feira (17), Dia Nacional do Patrimônio Histórico, dá mais uma passo e recebe o documento de inscrição na lista de Patrimônio Mundial da Unesco.

 

A cerimônia de entrega do certificado ocorrerá no Museu de Arte da Pampulha, com a presença do ministro da Cultura, Marcelo Calero, a presidente do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), Kátia Bogéa, e o prefeito de Belo Horizonte, Marcio Lacerda.

Com o título, a Pampulha passa a integrar um grupo de grandes obras da humanidade. O reconhecimento traz também um compromisso das três esferas de governo – federal, estadual e municipal – de valorização, conservação e divulgação do espaço.

Comemoração na Turquia

O título foi conquistado durante a 40ª sessão do Comitê do Patrimônio Mundial da Unesco, realizada entre os dias 15 e 17 de julho, no Centro de Convenções de Istambul, na Turquia. A indicação da Pampulha foi ratificada pelos 21 países integrantes do Comitê, por consenso. O ministro da Cultura, Marcelo Calero, chefiou a comitiva brasileira que acompanhou a reunião na Turquia.

 

À época, o ministro afirmou que o reconhecimento da Pampulha como Patrimônio Mundial da Humanidade era fruto do trabalho conjunto de servidores do Ministério da Cultura, especialmente do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), do Ministério das Relações Exteriores, do Governo do Estado de Minas Gerais e da Prefeitura de Belo Horizonte. O ministro pontuou ainda a necessidade das diferentes esferas de governo continuarem a trabalhar em parceria, em prol das gerações atuais e futuras.

 

"Mais que reconhecer a genialidade de três gigantes das artes brasileiras - Oscar Niemeyer, Cândido Portinari e Roberto Burle Marx - e a visão do estadista Juscelino Kubitschek, a inclusão estabelece um comitê gestor com representantes das três esferas de governo que será responsável pela preservação e conservação do conjunto que é uma das principais áreas de lazer e de cultura da capital mineira", afirmou

 

O Conjunto Moderno da Pampulha tornou-se o 20º sítio brasileiro inscrito na Lista do Patrimônio Mundial da Unesco. Na lista atual, estão incluídos outros 12 bens culturais e sete bens naturais brasileiros. Apenas em Minas Gerais, este passa a ser o quarto a figurar na lista, acompanhado do Centro Histórico de Ouro Preto, reconhecido em 1980; o Santuário de Bom Jesus de Matosinhos, na cidade de Congonhas, desde 1985; e o Centro Histórico de Diamantina, inscrito em 1999.

Conjunto Moderno da Pampulha 

Afresco assinado por Candido Portinari, na  Igreja de São Francisco de Assis (Foto: Divulgação)
 

Situado em uma das regiões mais tradicionais de Belo Horizonte e de grande significado para diversas gerações, no Brasil e no mundo, o Conjunto Moderno da Pampulha foi concebido com o objetivo de criar uma obra de arte total, integrando as peças artísticas aos edifícios e estes à paisagem, e conta com as quatro primeiras obras assinadas pelo arquiteto Oscar Niemeyer, projetadas na década de 1940. O conjunto possui também jardins planejados pelo paisagista Roberto Burle Marx, painéis com azulejos do pintor Candido Portinari e esculturas de artistas renomados como Alfredo Ceschiatti e José Alves Pedrosa.

 

Formado por uma paisagem que agrega quatro edifícios articulados em torno do espelho d'água de um lago urbano artificial, o Conjunto Moderno da Pampulha é integrado pela Igreja de São Francisco de Assis, o Cassino (atual Museu de Arte da Pampulha), a Casa do Baile (Centro de Referência em Urbanismo, Arquitetura e Design de Belo Horizonte) e o Iate Golfe Clube (Iate Tênis Clube), todos bens construídos entre 1942 e 1943. Todo esse conjunto foi construído a pedido do então prefeito de Belo Horizonte, Juscelino Kubitschek.

Ministério da Cultura
Fonte Ministério da Cultura 15/08/2016 ás h

Compartilhe

Conjunto Moderno da Pampulha recebe certificado de Patrimônio