"Como Era Gostoso Meu Antropófago": intervenção une culinária a artes visuais

Fonte Funarte 23/03/2013 às 10h

Projeto Cozinha Experimental de Indigestões Artísticas, contemplado no Programa Rede Nacional Funarte Artes Visuais será levado a cinco capitais, em abril

Como era gostoso meu antropofago_Projeto Cozinha Experimental de Indigestões Artísticas_Rede Nacional Funarte Artes Visuais 9a Edicao_performances em marco de 2013
Intervenção "Como era gostoso meu antropofago"

A intervenção artística “Como Era Gostoso Meu Antropófago” vai movimentar as regiões centrais das cidades de Belo Horizonte, São Paulo, Curitiba, Rio de Janeiro e Recife, de 6 a 21 de abril. O trabalho é do grupo artístico Indigestão, que atua nas fronteiras entre o audiovisual e a culinária. A ação faz parte do projeto Cozinha Experimental de Indigestões Artísticas, contemplado no edital do Programa Rede Nacional Funarte Artes Visuais – 9ª Edição.

Na ação, o grupo irá chegar num veículo do tipo perua a locais emblemáticos das cidades. Lá, montará barracas, onde vai realizar várias performances simultâneas, durante uma hora. Elas vão misturar performance, intervenção urbana, instalação, e culinária. Nas atuações, pessoas que passam na rua poderão se deparar com situações estranhas, tais como: alguém prepara um cachorro-quente e desmonta uma boneca, de marca bastante conhecida, coloca no sanduíche as partes do brinquedo e começa a comê-lo; ou alguém pede a doação de uma calcinha às passantes, na qual coa café, na hora, e o bebe. Ao mesmo tempo, experimentações sonoras e projeções invadem a rua, num diálogo inusitado com a comida.

Formado por artistas visuais, atores e músicos, durante uma oficina, oferecida na Funarte MG, em Belo Horizonte, o grupo Indigestão busca, na ideia de absurdo, meios para criar situações insólitas. Segundo o coletivo, “foi a partir do conceito de antropoemia (vômito), que foi concebido este projeto, como uma metalinguagem sobre as práticas consagradas da da arte. “Deglutimos nós mesmos e depois isso volta, de alguma forma, para aqueles que nos alimentam. Assim funciona a Cultura”. Para os criadores, este é um modo de ver a própria constituição da arte como forma de colaboração. “Nela, os indivíduos devem estar sempre se retroalimentando, para que a roda não pare”. No contexto, esta “retroalimentação” pode ser interpretada tanto no sentido literal quanto nos simbólicos.

Em “Como Era Gostoso Meu Antropófago” e demais ações do Cozinha Experimental de Indigestões Artísticas, algumas ações geram elementos comestíveis; outras enganam o espectador ao parecerem deliciosas, mas somente para os olhos. Todas encontram ingredientes inusitados, que chamarão a atenção dos passantes mais desavisados.

Nas manifestações, toda interação com o espectador será bem-vinda. Numa das barracas desta primeira intervenção, por exemplo, será criada e executada “música para beber”, através de sons de liquidificadores, que vão bater mangas, abacaxis e outras frutas tropicais, que serão oferecidas ao público.

A primeira capital que receberá o projeto é Belo Horizonte, no dia 7 de abril, domingo – veja a programação abaixo. Ao final da temporada, será lançado um DVD e um catálogo, como registros das ações.

Programação

  • Dia 7 de abril às 18h30 – Belo Horizonte
  • Dia 10 de abril às 18h30 – São Paulo
  • Dia 13 de abril às 18h – Curitiba – Boca Maldita
  • Dia 16 de abril às 18h30 – Rio de Janeiro
  • Dia 19 de abril, às 19h – Recife

“Como Era Gostoso Meu Antropófago”Com o Grupo Indigestão (MG)

Ação integrante do Projeto Cozinha Experimental de Indigestões Artísticas,contemplado no Edital do Programa Rede Nacional Funarte Artes Visuais – 9ª Edição (2012)

ApoioA Gentil Carioca – Rio de Janeiro (RJ)Fundaj – Recife (PE)

Demais parceiros locais em negociação

Confirmações de locais e mais informações

E-mail: gmachadome@gmail.com

Funarte
Fonte Funarte 23/03/2013 ás 10h

Compartilhe

"Como Era Gostoso Meu Antropófago": intervenção une culinária a artes visuais