Comentário Direto de Brasília -21-07-2016

Fonte José Woitechumas 21/07/2016 às h

PROPOSTAS PARA AÇÕES DO EXECUTIVO E CONGRESSO PARA AGOSTO CRIAM CENÁRIO MENOS NEBULOSO. E ATÉ UM CERTO ÂNIMO NA POPULAÇÃO.

Meus caros ouvintes, leitores e telespectadores, pesquisas realizadas para aferir o humor do brasileiro com relação ao governo interino mostram que há um movimento de aceitação das medidas propostas e uma maioria que prefere a permanência de Michel Temer a um retorno de Dilma Roussef. A não elevação da Taxa Selic pelo Banco Central, decisão tomada ontem, ajuda a criar um ambiente econômico mais favorável. Também os primeiros movimentos e declarações do novo Presidente da Câmara, Rodrigo Maia, ajudam a modificar o clima pessimista que vigorou até a renúncia de Eduardo Cunha. Sua decisão de promover sessões mesmo durante as Olimpíadas e com ameaça até de cortar o “ponto” dos deputados, ganha pontos na opinião pública. Quem não deve gostar desta decisão de buscar o quórum para as sessões durante os jogos é o próprio Cunha e seus aliados. Maia afirmou que o processo de Cunha pode ser votado na segunda semana de agosto, o que motivará a oposição ao ex-presidente a comparecer em Brasília. Ao priorizar também a votação do projeto que prevê cerca de 10 medidas de combate à corrupção, Rodrigo Maia ganha espaço junto àqueles que desconfiam das manobras para burlar a Lava Jato e livrar da cadeia os poderosos. Se conseguir votar rapidamente estas medidas, Maia criará constrangimento ao Senado que tem um projeto que, na essência, criará dificuldades à Justiça para prender os endinheirados. Políticos, inclusive. Maia tem conversado com Renan Calheiros e ambos jantaram com o presidente interino, Michel temer. Este diálogo é necessário e importante também para criarem uma imagem melhor do Executivo e do Parlamento, ambos abaixo da crítica na opinião pública. Será bom para eles trabalharem efetivamente, o Brasil não comporta gazetas em meio a tremenda crise que atravessa. Se tivessem coragem para vetar os aumentos ao funcionalismo público e ao Judiciário, reduzirem efetivamente os gastos públicos, marcariam pontos junto aos demais trabalhadores do país, hoje assombrados pela carestia e o desemprego. Demonstração inequívoca de que os tempos podem mudar no Brasil seria a aceitação da proposta dos Representantes da Associação dos Juízes Federais (Ajufe) e da Associação Nacional dos Procuradores da República levada ao presidente da Câmara, Rodrigo Maia, para defender o fim do foro privilegiado. De maneiras que, meus caros ouvintes, leitores e telespectadores, por enquanto são propostas em estudo e manifestações de quem está chegando ao poder. Esperamos que se concretizem. O simples fato de já estar disposto a colocar em pauta estas questões, sem dúvida que cria no mínimo um novo ânimo ante um cenário desolador deixado por Dilma, Lula e Eduardo Cunha. Direto de Brasília, José Woitechumas.   

José Woitechumas
Fonte José Woitechumas 21/07/2016 ás h

Compartilhe

Comentário Direto de Brasília -21-07-2016