Comentário Direto de Brasília -12-08-2016

Fonte José Woitechumas 12/08/2016 às h

MEDALHISTAS BRSASILEIROS COM A CARA DO BRASIL. VOCE JÁ DESCOBRIU QUE CARA É ESTA?

Meus caros ouvintes, leitores e telespectadores, o escasso quadro de medalhas do Brasil nas Olimpíadas do Rio 2016, é uma eloqüente demonstração de que o país tem um processo de educação e desenvolvimento desequilibrado. É até constrangedor sediarmos a festa para o mundo e participarmos dela apenas como coadjuvantes. Ou pagando para outros se divertirem. O número de empregos gerados é significativo para tempos de penúria empregatícia. Vale como um argumento porém não muito consistente.  Mais de 12 milhões de desempregados é público para assustar qualquer adversário. Menos para os que provocaram esta tragédia. Não estão nem aí e ainda acusam de golpe, de parcialidade da justiça e, o que é pior, ainda saem a trombetear uma liderança que é custeada por pão e mortadela. Outra indigência mental de quem se presta conscientemente para este jogo. É inegável que para o Brasil é muito bom ser sede de jogos olímpicos, o mundo estar com os olhos voltados para nós. Devemos sim nos sentirmos orgulhosos e aproveitarmos, nos divertirmos, na medida do possível. Porém, que isto não entorpeça o nosso senso crítico e muito menos nos deixemos levar somente pelo circo.  Já afirmamos aqui fazendo coro há tantos outros, não queremos só pão, queremos emprego e dignidade. Merecemos muito mais. Considero um equívoco quando saudamos a conquista de uma medalha de ouro por uma atleta com a “cara do Brasil”. O que isto significa: a cara do sofrimento, do sacrifício, de quem vive no morro hoje sitiado por bandidos e cujos sonhos são conquistados muito mais por esforço próprio ou alguma ação benemérita? Que cara do Brasil é esta? Evidentemente que temos abnegados, obstinados na busca de seus sonhos. Muitos os conquistam. Mas milhares ficam pelo caminho por absoluta falta de oportunidade numa ciranda desigual e até desumana. Não é justo que o dinheiro arrecadado de quem trabalha e muito, seja desviado para o bolso de poucos.Ou então, que grandes empresários se atrevam a pagar propina para não pagarem impostos. Estas Olimpíadas nos expõe e nos mostra ao mundo. Verdadeiros “guerreiros do povo brasileiro” ali estão, nas quadras, nos gramados, nos tatames, nas pistas e piscinas. Diferentemente dos que saudados assim á caminho da prisão. Esta é a lógica. Esta é a comparação possível. Cada um que pode, escolhe o seu jogo. Mas há quem perde sem o direito de participar. E isto não é justo. Principalmente quando os que têm o dever de proporcionar a igualdade, diminuir as diferenças, servem-se do cinismo, do oportunismo para, na melhor das hipóteses, querer roubar a taça. Como um dirigente de entidade esportiva que tungou uma medalha de um atleta vencedor. A escolha dos nossos representantes aos cargos que decidem é oportunidade rara, de quatro em quadro anos, como a Copa do Mundo. Outubro nos reserva esta oportunidade. Quem sabe comecemos a escolher melhor para termos condições de mudarmos a cara do Brasil, hoje humilhado pelo descrédito da classe empresarial, política e governamental. Mudando o país, certamente teremos atletas com uma cara melhor. No mínimo com menos sofrimento em suas conquistas. Direto de Brasília, José Woitechumas.

 

José Woitechumas
Fonte José Woitechumas 12/08/2016 ás h

Compartilhe

Comentário Direto de Brasília -12-08-2016