Cigarro acelera problemas na retina

Fonte Saúde em Pauta 16/05/2012 às 20h
Degeneração Macular Relacionada à Idade afeta 40% da população acima dos 70 anos


O indivíduo tem se deparado, cada vez mais, com uma multiplicidade de funções que devem ser realizadas em um curto espaço de tempo e de maneira veloz. Algumas atividades, contudo, colocam à prova a visão, uma vez que ela é o meio pelo qual o leitor se manterá informado, o motorista guiará o volante, e o telespectador assistirá o seu programa preferido. O que muitos não sabem é que com a longevidade, tal esforço pode refletir efeitos negativos causados pela Degeneração Macular Relacionada à Idade, DMRI, uma doença que atinge 40% dos idosos acima dos 70 anos.


De acordo com o oftalmologista e presidente da Sociedade Brasileira de Oftalmologia, Dr. Aderbal Alves, a visão piora significativamente com o passar do tempo, caracterizando-se pelo “envelhecimento da retina na parte da visão central, responsável por captar os detalhes, além da qualidade e distinção das cores que também fica comprometida”, diz. O especialista revela ainda que a incidência da DMRI é maior em países do primeiro mundo onde a população nasce com olhos mais claros e pela fácil exposição aos raios ultravioleta, sendo a principal causa de cegueira irreversível nesses continentes.


Além da longevidade, outros dois grandes fatores são apontados como o ponto de partida para o desenvolvimento da enfermidade: a genética e o tabaco. Alguns problemas de visão são passados de pai para filho, inclusive a DMRI e o cigarro acelera expressivamente a degeneração da retina. No entanto, a alimentação inadequada, o sedentarismo e a falta de controle da pressão arterial também contribuem para seu surgimento.


Considerada uma patologia relacionada à idade, a DMRI afeta indivíduos já a partir dos 50 anos, porém, o comum é que pessoas acima dos 65 anos enfrentem as maiores dificuldades da doença. Tomar um ônibus, contar dinheiro e ler são apenas alguns dos exemplos decorrentes do problema. “Quanto mais idoso, mais severa é a perda progressiva da visão”, revela o oftalmologista.


Mediante as dificuldades visuais, o paciente pode tornar-se vítima da depressão, uma vez que fazer as tarefas diárias demanda uma boa saúde dos olhos. Em alguns casos, para evitar situações de frustração, o sujeito deixa de sair de casa e se afasta do convício com outras pessoas. Além disso, a DMRI favorece também para o aumento dos riscos de acidentes domésticos.


Prevenção é o melhor remédio


Quando a visão começa a dar os primeiros sinais de falha, é preciso recorrer ao oftalmologista para a realização do diagnóstico completo da Degeneração. “O exame do fundo de olho identifica facilmente a origem do problema e, para complementar, o ideal é a realização da tomografia de coerência óptica”, recomenda o Dr. Aderbal Alves. Já no tratamento, nos casos mais graves, é utilizada a injeção dentro do olho e, nos episódios mais simples, as vitaminas antioxidantes são indicadas.


Já que se pode retardar o processo do envelhecimento e tampouco é possível obter cura para o problema, o controle pode ser feito por meio de medidas preventivas como uma boa alimentação, o peso, praticar exercícios físicos, eliminar o tabaco e controlar os níveis de pressão arterial. “A vida saudável é a melhor opção não apenas às doenças relacionadas aos olhos, mas para todas as outras”, salienta o oftalmologista.
Saúde em Pauta
Fonte Saúde em Pauta 16/05/2012 ás 20h

Compartilhe

Cigarro acelera problemas na retina