Centro Psiquiátrico do Rio vai usar emissora de rádio na atividade de musicoterapia

Fonte Agência Brasil 08/04/2013 às 21h


Rio de Janeiro - Dentro de dois meses, os cerca de 4.500 pacientes atendidos pelo Centro Psiquiátrico do Rio de Janeiro (CPRJ) deverão contar com uma rádio interna, com uma programação musical elaborada pelos frequentadores das oficinas de trabalho e terapêuticas da instituição. A emissora se tornou possível graças ao acervo 2 mil discos de vinil, vários deles raros, doados ao CPRJ por três irmãs, de 101, 98 e 95 anos de idade.

Até junho, o acervo será catalogado e em parte digitalizado para organizar a discoteca, que ficará à disposição dos pacientes. Entre as raridades, estão discos em que Manuel Bandeira e Carlos Drummond de Andrade recitam poesias e gravações que datam de 1933.

“A rádio interna vai complementar o trabalho de musicoterapia que desenvolvemos desde 2001, quando criamos o grupo Harmonia Enlouquece”, disse o diretor do CPRJ, Francisco Sayão Lobato Filho. Segundo ele, são amplamente perceptíveis os benefícios da música nos pacientes psiquiátricos. “O índice de reinternações diminui muito. Eles respondem com uma maior adesão ao tratamento e melhoram sua comunicação com as famílias”, destacou o médico.

Em seus 12 anos de existência, o Harmonia Enlouquece tocou em vários locais do Rio, em São Paulo, Belo Horizonte e Salvador e até em Buenos Aires, na Argentina. A banda também fêz uma participação na novela Caminho das Índias, da TV Globo e já gravou três CDs.

Resultado das oficinas feitas no CPRJ pelo psicólogo e musicoterapeuta Sidnei Dantas, o Harmonia Enlouquece é formado por pacientes, funcionários e voluntários do centro psiquiátrico. Atualmente, a banda tem 11 integrantes, entre eles o cantor e compositor Hamilton Assunção, também paciente do CPRJ.

“O grupo dá muita dignidade aos participantes. Minha inspiração para as letras vem dos problemas do país, da minha inquietação diante do mundo. A cultura e a arte ajudam a salvar as pessoas da loucura”, disse Hamilton. Foi por intermédio dele que o diretor Francisco Sayão Lobato Filho tomou conhecimento da coleção de discos doada pelas irmãs à unidade.

Desde a criação do grupo, que fêz sua primeira apresentação em 7 de abril de 2001, em comemoração ao Dia Mundial da Saúde, 42 pacientes já passaram pela banda. De acordo com Sidnei Dantas, são quatro horas semanais de ensaios e a música está abrindo cada vez mais caminhos para os pacientes fora da instituição. “Ou seja, o objetivo do projeto está sendo alcançado”, ressaltou o musicoterapeuta.

O CPRJ está localizado na Praça Coronel Assunção, mais conhecida pelo seu antigo nome, Praça da Harmonia, no bairro da Gamboa, na zona portuária do Rio.

Agência Brasil
Fonte Agência Brasil 08/04/2013 ás 21h

Compartilhe

Centro Psiquiátrico do Rio vai usar emissora de rádio na atividade de musicoterapia