Busca por corpos no Araguaia é maior operação que o país já fez, afirma ministro

Fonte Agência Brasil 19/11/2009 às 0h
O ministro da Secretaria Especial dos Direitos Humanos (SEDH), Paulo Vannuchi, afirmou hoje (20) que as buscas por corpos de desaparecidos na Guerrilha do Araguaia precisam continuar “até que sejam localizados”. Para Vannuchi, o Brasil realiza “a mais importante operação que o Estado já decidiu realizar”, na tentativa de localizar os restos mortais de 140 brasileiros e brasileiras que morreram durante a repressão do regime ditatorial de 1964.

Segundo o ministro, a decisão de desaparecer com os corpos representa “uma tortura ainda mais grave”. O grupo de trabalho criado pelo Ministério da Defesa para tentar localizar e resgatar os restos mortais encerrou, na última segunda-feira (17), a primeira fase das escavações sem sucesso.

“O Brasil, sem revanchismo, não quer reabrir a violência do passado, mas precisa se unir na busca dos corpos, para que as famílias possam realizar esse direito elementar [de enterrar os corpos]. Não tem sentido o Brasil não respeitar essa tradição”, disse, ao participar de entrevista a emissoras de rádio durante o programa Bom Dia, Ministro.

Segundo Vannuchi, as buscas serão interrompidas entre outubro e abril, período de chuvas em grande parte do país, e os trabalhos serão feitos em laboratório para testar eventuais ossadas encontradas com o banco de DNA cedido por familiares. A partir de abril, de acordo com o ministro, novas buscas devem ocorrer.
Agência Brasil
Fonte Agência Brasil 19/11/2009 ás 0h

Compartilhe

Busca por corpos no Araguaia é maior operação que o país já fez, afirma ministro