Brasil compartilha avanços em Atenção Básica

Fonte Ascom - MS 23/05/2012 às 14h
Em Genebra, governo brasileiro apresentou o sucesso do programa brasileiro Saúde da Família. China e Índia, que também integram os Brics, mostraram seus avanços na área da saúde.

 

O secretário de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde, Jarbas Barbosa, apresentou nesta quarta-feira as experiências do Brasil na gestão da Atenção Básica. A palestra foi realizada no terceiro dia da 65ª Assembleia Mundial da Saúde promovida pela Organização Mundial da Saúde (OMS), e expôs o modelo brasileiro de assistência ativa por meio das Equipes de Saúde da Família (ESF). Na ocasião, China e Índia - países que integram o bloco dos Brics juntamente com Brasil, Rússia e África do Sul - também apresentaram seus progressos na área de assistência, com destaque para o acesso da população rural.

O secretário destacou os resultados positivos da adoção de um modelo ativo de atenção em que o sistema de saúde vai ao usuário. "Estudos mostraram que essa forma de acesso à atenção primária tem melhores resultados do que a forma mais tradicional de assistência - observou-se, por exemplo, a redução da mortalidade infantil e da hospitalização por doenças cardiovasculares e respiratórias", pontuou Jarbas Barbosa.

Os dados do Censo 2010 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) destaca que a mortalidade infantil no Brasil reduziu praticamente pela metade (47%) na última década. Em 2000, 29,7 a cada mil crianças nascidas vivas não completavam o primeiro ano de vida. Em 2010, o índice reduziu para 15,6/1.000. O Brasil já alcançou os índices de redução definidos pelas metas dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio, acordo internacional, que prevê uma taxa de mortalidade infantil de 15,7/1.000 nascidos vivos no país, para 2015, além de reforçar a política social que vem sendo conduzida pelo governo.

"O sucesso da estratégia Saúde da Família nos mostrou que essa é a melhor forma de dar à população brasileira acesso aos serviços de atenção primária. Por isso, tornou-se uma das prioridades do Ministério da Saúde consolidar este modelo junto às gestões municipais e estaduais, além de expandir a cobertura do programa" declarou o secretário.

Em 2003, o percentual de cobertura da população pelas equipes Saúde da Família era de 59,7%. E, desde 2010, o alcance supera os 100% da população alvo.

QUALIDADE – O Ministério da Saúde criou ainda no ano passado, o Programa Nacional de Melhoria do Acesso e da Qualidade da Atenção Básica (PMAQ), com objetivo de ampliar o acesso e melhorar o atendimento na Atenção Básica, garantindo aos serviços um padrão nacional de qualidade. O objetivo do programa, que integra a política Saúde Mais Perto de Você, é elevar os recursos para as Unidades Básicas de Saúde (UBS) que cumprem metas na qualificação do trabalho das equipes de saúde para incentivar um atendimento de maior qualidade.

O secretário Jarbas Barbosa destacou a importância também de erradicar a oncocercose, doença infecciosa que atinge parte da população brasileira. Ressaltando a importância de uma atenção redobrada à população indígena. "Estamos dando uma atenção a mais para a população indígena, com destaque para os Yanomamis. Essa parcela da população é uma das mais vulneráveis a esta doença, explicou. Ele alega que o ministério está no caminho certo. “Estamos muito perto. É um desafio prioritário para o Brasil eliminar a circulação da oncocercose em seu território, bem como ajudar outros países a fazê-lo", completou secretário.

Saiba mais: Brics discutem ações de cooperação em saúde

Ascom - MS
Fonte Ascom - MS 23/05/2012 ás 14h

Compartilhe

Brasil compartilha avanços em Atenção Básica