Audiência pública discute os investimentos feitos pelo BNDES

Fonte Agência Câmara Notícias 14/05/2013 às 11h

 

 

A Comissão de Desenvolvimento Econômico, Indústria e Comércio promove audiência pública hoje, às 14h30, para debater a finalidade do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), com enfoque na quantidade de recursos destinados às microempresas.

O deputado Carlos Roberto (PSDB-SP), que sugeriu a realização da audiência, questiona a queda da lucratividade do BNDES e quer esclarecimentos sobre os investimentos feitos pela instituição. Ele destaca que, desde 2008, o banco colocou no mercado cerca de R$ 800 bilhões, mas, no balanço de 2012, registrou queda de 10% no lucro, indo para R$ 8,2 bilhões.

Citando reportagem da revista Exame do dia 6 de março deste ano, Carlos Roberto afirma que “o crédito barato oferecido pelo dinheiro do povo, inclusive advindo do Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT) – segundo a reportagem –, vem servindo para grandes grupos empresariais fazerem mais do mesmo, com resultados desastrosos”.

Ele ressalta ainda que há casos de investimentos feitos para sanar deficits de caixa das empresas, sem foco na geração de empregos e renda. Por isso, o deputado pede explicações sobre o dinheiro aplicado em empresas como Vale do Rio Doce, Ambev, JBS e Marfrig.

Em sua avaliação, os recursos do BNDES estão sendo mal aplicados, o que já causa danos à saúde financeira da instituição. Seu objetivo é encontrar alternativas para mudar esse quadro.

Foram convidados para o debate:
- o superintendente da Área de Planejamento do BNDES, Cláudio Figueiredo Coelho Leal;
- o gerente executivo de Política Industrial da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Pedro Alem Filho;
- e o economista da Divisão Econômica da Confederação Nacional do Comércio, de Bens, Serviço e Turismo (CNC), Antônio Everton Chaves Júnior.

A audiência ocorrerá no Plenário 5.

Agência Câmara Notícias
Fonte Agência Câmara Notícias 14/05/2013 ás 11h

Compartilhe

Audiência pública discute os investimentos feitos pelo BNDES