Argentina quer retomar diálogo com FMI

Fonte Ansa Flash 19/11/2009 às 0h
O governo argentino buscará se aproximar do Fundo Monetário Internacional (FMI) até o fim do ano com o objetivo de conseguir aval político para retornar ao mercado de capitais, informou o ministro da Economia, Amado Boudou.

O relacionamento entre Argentina e FMI foi interrompido em 2006 durante o governo do ex-presidente Néstor Kirchner. Contudo, Boudou esclareceu que seu país "nunca saiu do Fundo porque continuou pagando a cota".

"Agora, é preciso dialogar para achar uma intersecção entre os interesses deles e os nossos. E algum caminho nós encontraremos para ter uma relação normal, como sócios do clube", afirmou o ministro em sua viagem ao Brasil, segundo publicou o jornal Clarín.

"Nosso objetivo final não é voltar para o FMI, mas regressar ao mercado financeiro internacional", completou.

De acordo com o jornal argentino, o ministro deve se encontrar com o diretor do Departamento do Hemisfério Ocidental do FMI, o chileno Nicolas Eyzaguirre, pela primeira vez na próxima semana. Eyzaguirre vai a Buenos Aires para um seminário do Conselho das Américas.

O ministro, no entanto, declarou que o país não estaria disposto a fazer concessões políticas para se reaproximar do Fundo. "Não aceitaremos em circunstância alguma um plano de ajuste... Este governo não negocia políticas com o FMI, como fizeram os outros".

Em visita a Brasília, Boudou encontrou-se ontem com o ministro da Fazenda, Guido Mantega, para assinar o memorando de entendimento sobre um compromisso entre os dois países para que um empreste dinheiro ao outro, num caso de emergência.

Após a reunião, os dois ministros anunciaram o documento que visa garantir uma operação de crédito recíproco (swap), equivalente a R$ 3,5 bilhões. A operação terá juros básicos, mas ainda depende de detalhes jurídicos e deve ser ratificada pelos bancos centrais dos dois países.
Ansa Flash
Fonte Ansa Flash 19/11/2009 ás 0h

Compartilhe

Argentina quer retomar diálogo com FMI