Ao comentar caso Renault, Mosley diz que tudo é possível

Fonte Ansa Flash 19/11/2009 às 0h
O presidente da Federação Internacional de Automobilismo (FIA), Max Mosley, não descartou a hipótese de que a Renault tenha causado voluntariamente um acidente na temporada passada, mas pediu que as conclusões sejam tomadas ao fim das investigações.

"Tudo é possível, mas devemos examinar os fatos por inteiro. Devemos receber a defesa da Renault, não podemos dizer nada até 21 de setembro", comentou Mosley, referindo-se ao dia marcado para a escuderia comparecer em audiência diante do Conselho Mundial da FIA.

No dia 28 de setembro do ano passado, o brasileiro Nelsinho Piquet sofreu um acidente no Grande Prêmio de Cingapura. Demitido da Renault no último mês de julho, o piloto revelou à FIA que o acidente foi premeditado pelo chefe da equipe, Flavio Briatore, e pelo engenheiro Pat Symonds, a fim de favorecer seu companheiro de equipe, o espanhol Fernando Alonso.

Nelsinho bateu o carro em um muro, o que obrigou a entrada do safety car na pista. Alonso, que tinha acabado de realizar um pit-stop, foi o maior beneficiado com o acidente e venceu o GP.

Durante a permanência do safety car na pista, o brasileiro Felipe Massa, da Ferrari, que liderava a corrida, teve problemas ao abastecer e outros carros perderam posições devido a punições e paradas para reabastecimento.

Em depoimento, Nelsinho contou que aceitou causar o acidente porque estava em um momento delicado de sua carreira e de sua relação com a escuderia, já que não possuía garantias de renovação de contrato.

Mosley, no entanto, afirmou que as investigações não fazem parte de nenhuma tentativa de atingir Briatore. "Isto é completamente sem sentido. Eu tenho uma relação amigável com Briatore e há alguns dias até jantamos juntos".

Por meio de um comunicado, a Renault anunciou hoje que deu entrada em um processo no Tribunal de Paris contra Nelsinho e seu pai, o ex-piloto Nelson Piquet, por falsas denúncias e tentativa de extorsão.
Ansa Flash
Fonte Ansa Flash 19/11/2009 ás 0h

Compartilhe

Ao comentar caso Renault, Mosley diz que tudo é possível