Acusado de envolvimento com Cachoeira diz que vai colaborar com CPMI

Fonte Agência Câmara de Notícias 30/05/2012 às 13h

Lenine Araújo de Souza, acusado de envolvimento com o contraventor Carlinhos Cachoeira, disse há pouco que quer colaborar com a investigação da Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI). Ele afirmou que os depoimentos de acusação vão ser colhidos amanhã em Goiânia (GO) e que ele será ouvido na sexta-feira pelos juízes responsáveis. Por isso, a CPMI decidiu ouvi-lo somente na semana que vem. Ele negou que seja sócio de qualquer empresa envolvida nas denúncias e negou também que seja braço direito de Carlinhos Cachoeira.

Cláudio Abreu, ex-diretor da empresa Delta no Centro-Oeste, optou pelo silêncio e o presidente da CPMI, senador Vital do Rêgo (PMDB-PB), disse que não vai tomar nenhuma medida sobre isso. Porém, o presidente se disse ressentido com o fato de que o Supremo Tribunal Federal sequer tenha solicitado informações para saber se está havendo algum desrespeito ao direito dos depoentes que justificaria a expedição dos habeas corpus.

Rodrigo Moral Dall Agnol, que falaria como testemunha, obteve um habeas corpus para não comparecer na CPMI porque, segunda a ministra Rosa Weber, do STJ, que analisou o pedido de Agnol, não havia clareza se ele compareceria como testemunha ou como investigado.

José Olímpio de Queiroga Neto, outro acusado de envolvimento com o contraventor, também apresentou habeas corpus e se negou a falar.

Jayme Eduardo Rincón, convocado como testemunha, não virá porque sofreu um aneurisma cerebral. Foi apresentado na CMPI um atestado médico e uma solicitação para que o seu depoimento seja adiado.

A reunião da CPMI está sendo realizada na Sala 2, da Ala Senador Nilo Coelho, no Senado.

 

Agência Câmara de Notícias
Fonte Agência Câmara de Notícias 30/05/2012 ás 13h

Compartilhe

Acusado de envolvimento com Cachoeira diz que vai colaborar com CPMI