A busca pelo emprego: três atitudes que fazem a diferença

Fonte Instituto Brasileiro dos Direitos da Pessoa com Deficiência 06/04/2013 às 12h

Estar em constante aprimoramento profissional é fundamental. A pessoa com deficiência deve procurar cursos de qualificação e capacitação profissional. Desenvolver habilidades é crucial para o enfrentamento de um concorrido mercado de trabalho. Procure uma das inúmeras possibilidades oferecidas no mercado para aprimorar e manter a sua capacidade profissional e a de competição no mercado.

Ter um currículo bem elaborado e encaminhá-lo para instituições especializadas é um grande passo para conseguir emprego. A elaboração de um bom currículo, objetivo e atualizado, é muito importante. Afinal, é com ele que se consegue ou não uma entrevista de emprego. É importante também procurar uma ONG especializada, que trabalhe com colocação de profissionais com deficiência a fim de participar dos diversos processos de recrutamento e seleção das empresas.

 

Uma boa conduta na entrevista de emprego pode garantir o acesso ao mercado de trabalho. “O candidato deve atribuir total importância a uma postura adequada nesse momento do processo de avaliação. A apresentação pessoal, por exemplo, é um elemento importante que deve ser levado em consideração pelo entrevistado”, alerta Ana Catarina Pereira, gerente da área de Mercado de Trabalho do IBDD. Em todas as etapas de entrevista - seja com os recrutadores de instituições especializadas, seja com o próprio empregador - o candidato deve se preocupar com a pontualidade, com o vestuário pertinente à ocasião e evitar ao máximo a utilização de vícios de linguagem.

 “O candidato não deve mentir e precisa relatar a experiência profissional, além de suas características e habilidades, de forma clara e objetiva”, acrescenta Ana. A pessoa com deficiência deve se preocupar em deixar clara sua competência para o exercício da função, reconhecendo suas limitações sem prejuízo de suas potencialidades. A entrevista não é um procedimento unilateral: o candidato está escolhendo uma empresa e uma função, e o entrevistador está escolhendo profissionais que se adequem ao perfil da vaga.

“A busca por um emprego precisa ser tratada como um momento fundamental para a vida das pessoas com deficiência. O trabalho é imprescindível para a conquista da cidadania”, declara Teresa Amaral, superintendente do IBDD.

Instituto Brasileiro dos Direitos da Pessoa com Deficiência
Fonte Instituto Brasileiro dos Direitos da Pessoa com Deficiência 06/04/2013 ás 12h

Compartilhe

A busca pelo emprego: três atitudes que fazem a diferença